A maioria das pessoas que tem dívida quer sair dela, mas isso é uma tarefa bem delicada. Uma das perguntas mais comuns que as pessoas fazem a si mesmos quando eles decidem enfrentar sua dívida é onde começar. Afinal, todas as situações financeiras são diferentes, fazendo essa pergunta difícil de responder em termos simples.

Se você tiver uma dívida, talvez um único cartão de crédito ou um empréstimo pessoal, o plano de jogo é bastante simples. Após o orçamento para seus gastos básicos (aluguel, serviços públicos, as necessidades básicas de supermercado), veja quanto dinheiro extra que você pode alocar para pagar seu cartão de crédito por inteiro e não parcelar a fatura mais. Ou pode, simplesmente, pegar um empréstimo com juros menores para quitar a dívida do cartão e passar a pagar menos juros com o empréstimo.

Com duas ou mais dívidas, as coisas podem ser mais complicadas. A maneira mais fácil de começar é fazendo uma lista de verificação para determinar quais dívidas precisam mais de sua atenção. As pessoas têm que priorizar suas dívidas por duas razões: elas podem não conseguir realizar todos os pagamentos mínimos que têm e devem escolher qual deles pagar, ou querem pagar mais do que o pagamento mensal, porque eles querem estar livres das dívidas o quanto antes. O que deve então ser feito? Vamos ao passo a passo.

Categorize sua dívida

Existem dois tipos de dívida: garantida e não garantida. Dívida garantida significa que há um ativo vinculado ao empréstimo, como uma casa ou um veículo, que o credor pode reaver se você não pagar o combinado. Empréstimos garantidos muitas vezes vêm com taxas de juros mais baixas do que a dívida não garantida, porque o credor tem algo de valor para tomar se as contas não forem pagas.

Digamos que você tenha um empréstimo para um veículo e uma grande quantidade de dívida de cartão de crédito, e você não pode se dar ao luxo de pagar tanto. Priorize a dívida garantida (empréstimo do veículo), porque se você não pagar, você vai perder o seu carro, o que poderia impedi-lo de chegar ao trabalho, pôr em risco o seu trabalho e custar-lhe a renda que você precisa pagar qualquer de suas contas.

Se você pode pagar sua dívida, mas apenas quer se livrar delas, a estratégia oposta faz mais sentido. Tenha como alvo a dívida não garantida porque geralmente tem taxas de juros mais altas, e é, muitas vezes, o tipo de dívida que fica rapidamente fora de controle.

Casa e veículos estão sempre em primeiro plano, enquanto empréstimos pessoais e cartões de crédito devem ser pagos através de empréstimos com juros menores, renegociação da dívida, portabilidade do crédito ou outros meios que reduzam seu saldo devedor o mais rápido possível.

Se livrando das dívidas

Pequenos passos, como passar a guardar moedas de troco e guardar para pagamentos de dívidas, podem ser grandes saltos rumo a uma vida livre de débitos. (Foto: www.levo.com)

Compara sempre as taxas de juros

Se você está decidindo entre priorizar o pagamento dos seus cartões de crédito, empréstimos estudantis e/ou empréstimos pessoais, uma maneira fácil de escolher onde começar é olhando para as taxas de juros. Se você puder separar um dinheiro extra do orçamento para a quitação da dívida e direcionar esse capital em direção às dívidas de juros altos (cartões de crédito, provavelmente), você provavelmente fará seus débitos pararem de crescer.

Continue fazendo os pagamentos mínimos em suas dívidas de menores juros, como empréstimos estudantis e pessoais, assim como pagando também o mínimo das parcelas em financiamentos de veículos e imóveis.

Novamente, se você está priorizando porque você não pode fazer todos os pagamentos, a estratégia será um pouco diferente. Mesmo que a dívida de empréstimos pessoais e estudantis sejam menores, a inadimplência sobre estes empréstimos tem consequências mais graves do que o calote em dívidas de cartão de crédito. Antes de começar a escolher quais contas pagar, busque opções e faça um plano de pagamento sólido.

Um exemplo do que você pode fazer: se você tem um cartão de crédito que está te cobrando 20% de juros ao mês, mas pode pegar um empréstimo pessoal que paga sua dívida cobrando menos juros que o cartão de crédito, você deve pegar o empréstimo, quitar o cartão de crédito e passar a pagar as parcelas do empréstimo em dia. Em alguns casos, você poderá até somar outras dívidas e concentrá-las em um empréstimo só, de menores juros. Essa estratégia chamamos de consolidação da dívida.

Há também outra estratégia que não é tão fácil se você tem financiamentos garantidos. Você começa pagando as dívidas de maiores juros e vai só fazendo os pagamentos mínimos nos restantes. Se você tem algum financiamento garantido, terá que continuar pagando esse financiamento, pelo menos o valor das parcelas normais. Depois que sua dívida de maiores juros for quitada, você passa para a segunda dívida de maiores juros. Chamamos essa estratégia de bola de neve.

Decida o que você quer

Se você decidiu que você precisa quitar urgentemente seus cartões de crédito, você pode ter que priorizar ainda mais. Algumas pessoas recomendam ir diretamente aos saldos com as mais altas taxas de juros, uma vez que você vai economizar mais dinheiro em juros. Outros vão dizer-lhe para escolher o menor saldo.

Pagar o cartão que tem o menor saldo, mesmo com juros menores, pode ser um bom primeiro passo. Pagando essa primeira dívida te dará a motivação para continuar a sair do débito. A dificuldade em se livrar dos grandes saldos e altos juros primeiro pode ter o efeito oposto: emocionalmente, é como fazer uma dieta e não perder algum peso durante os primeiros cinco anos. Você deve se dar a motivação inicial rumo a uma vida livre de dívidas.

No entanto, se você não pode suportar a ideia de deixar os juros de 20% do cartão continuarem crescendo enquanto você lida com uma dívida de salgo menor, você pode tomar uma atitude mais sensata ao ir diretamente na dívida de maiores juros. É tudo uma questão de decidir o que vai fazer você se sentir melhor e dar-lhe a confiança necessária para continuar indo em direção a uma meta de difícil alcance. Usar a estratégia bola de neve ou de consolidação do débito pode ser o que você precisa para reorganizar suas finanças e se manter no caminho rumo à liberdade do débito.

Comece fazendo progressos: faça um orçamento!

Uma vez que você começou a pagar a sua dívida de alta prioridade, pense sobre o que seus próximos passos serão, usando o mesmo processo. Dependendo de quanto você pode dedicar a pagar a sua dívida, você pode enfrentar vários saldos de uma vez. Você pode usar esta calculadora online para ver o quanto vai demorar para você ficar livre da dívida de cartão de crédito. Mantenha-se em dia ao longo do caminho, revendo sua situação financeira constantemente. Para fazer esse acompanhamento e evitar que você volte a ter suas dívidas, um orçamento com todos os seus gastos e ganhos deve ser feito para que você tenha o controle de sua vida financeira de volta.

Não há nenhuma maneira fácil de pagar as dívidas, mas uma coisa é certa: você deve mudar o estilo de vida que te trouxe a essa situação complicada e aprender o máximo possível com essa lição da dívida.

Você já teve alguma dívida? Como você se livrou dela? Quais dívidas você sugere que as pessoas se livrem primeiro e por que?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)