Todo quinto dia útil, o mesmo processo será passado por quem é responsável por processar e entregar o dinheiro aos seus funcionários. Mas talvez nunca tenha lhe ocorrido que você pode estar fazendo tudo isso do jeito errado, tanto quanto á forma de pagamento quanto como você define os salários.

Piso salarial da categoria

O primeiro e mais importante fator na hora de pensar em “pagar corretamente” seus funcionários é saber o piso salarial da categoria. Este piso é o mínimo que você pode pagar a um funcionário que exerce uma dada função. Tais pisos são definidos por convenções coletivas de trabalho e ajustados anualmente, geralmente de forma independente em relação ao salários mínimo. Vamos destacar a palavra “mínimo” desse parágrafo.

“Mínimo” é o que você paga quando trabalhador faz o “mínimo” que é esperado dele. Ou seja, ele executou todas as suas tarefas da forma mais básica possível ou é um empregado que acabou de entrar na empresa e ainda não teve tempo para mostrar a qualidade de seu trabalho. Você acha então que um trabalhador que já está há 6 meses, mesmo que faça as mesmas tarefas mas que já tem a experiência e o treinamento de mais tempo, receba o mesmo piso? Para isso, é preciso que você crie cargos na sua empresa.

Supervisor, gerente, chefe de departamento, cargos júnior/pleno/sênior. Tudo isso ajudará você a ser mais justo na hora de pagar o salário da categoria e muitas convenções, inclusive, também definem pisos para estes pagamentos. Fica ao seu cargo pagar o piso ou pagar a mais, o que é um grande diferencial.

É um diferencial porque os bons trabalhadores, como regra básica de um mercado capitalista, vão procurar os melhores salários. Então, se você oferecer um salário que esteja acima do piso você não estará apenas gerando “custos” para a empresa mas sim, investindo em capital humano, em trabalhadores de qualidade que ajudarão sua empresa a crescer e competir no mercado.

Você também pode oferecer apenas o piso mas, para atrair novos trabalhador e reter os talentos, dar bons benefícios a eles.

Pagando seus funcionários com dinheiro

Pagar em dinheiro deve ser evitado a todos os custos, pois é um perigo para sua empresa e seus funcionários. (Foto: www.chamberofcommerce.com)

Pagamento de benefícios

Plano de saúde, previdência privada, ticket refeição, ticket alimentação, parcerias com lojas e outras empresas para descontos, cesta básica. Estas opções e muitas outras podem ser um extra dado ao funcionário que compensa, por exemplo, um salário um pouco mais baixo do que o do mercado. São também ótimas ferramentas de motivação e valorização do funcionário. O empresário que paga benefícios está fazendo algo que poucos no Brasil fazem, mas muitos no mundo já descobriram que é essencial para melhorar a produtividade de sua empresa.

A melhor forma de descobrir quais benefícios seus funcionários mais desejam é conversando com ele. Assim, você não vai fazer um investimento vazio e que não tenha resultados.

Participação nos lucros/Ações da empresa

Muitos consideram estes dois como benefícios, enquanto outros consideram estes como um complemento ao salário. Seja como for, a participação nos lucros ou nas ações da empresa é como tornar seu funcionário como um sócio.

A participação nos lucros já se tornou popular no Brasil. São estabelecidas metas aos funcionários que, quando cumpridas, correspondem a um bônus mensal/bimestral/semestral/anual (dependendo dos planos da empresa) acrescentado ao salário do funcionário. Já a participação em ações de empresas é geralmente um benefício oferecido àqueles que tem cargos gerenciais, tornando o funcionário, efetivamente, um sócio da empresa, participando da divisão de dividendos e podendo também realizar transações com as ações da empresa. Isso é também possível com empresas que não estão na Bolsa de Valores, transformando o funcionário em um sócio minoritário com direito a pró-labore.

Estabeleça metas

Para oferecer benefícios e/ou incentivar seus funcionários a cumprirem metas, os benefícios são ótimos incentivos. Mas tem de ser claramente estabelecidos para os seus colaboradores, assim como eles também devem receber todo o suporte necessário para poderem cumprir as metas ou podem ficar ressentidos com a empresa.

Qual a forma correta de pagar seus funcionários?

Explicado em pormenores a justiça do pagamento, você precisa saber como pagar seu funcionário, ou seja, como entregar o dinheiro a ele. Há basicamente três formas de pagamento, assim como vantagens e desvantagens a cada uma delas.

Dinheiro

No Brasil é ainda a forma mais popular para o pagamento de funcionários. Muitos preferem receber o dinheiro vivo para poderem já pagar contas ou pagar compras imediatamente. Sua popularidade no Brasil deve-se muito ainda à desconfiança criada na década de 90 com os bancos e instituições, principalmente durante o Plano Collor e durante o congelamento das poupanças.

Vantagens: hoje e dia, com a economia estável, a vantagem de ter dinheiro vivo em mãos e não confiscado pelo Governo se tornou irrelevante. Praticamente todos os estabelecimentos comerciais aceitam cartões, transferências bancárias, cheques e outras formas de pagamento que não envolvem andar com dinheiro. Talvez, a única vantagem é que você terá dinheiro para pagar emergências e poderá negociar descontos consideráveis em alguns produtos e serviços. Não custa nada para o empresário.

Desvantagens: tanto para o empresário quanto para o funcionário, o pagamento em dinheiro é uma grande desvantagem. Todos os riscos associados a isso não compensam quaisquer vantagens que o dinheiro vivo possa trazer. Golpes de saidinha de banco, roubos aos funcionários no dia de pagamento, roubos à empresa. Isso é um risco real e que cresce a cada dia, principalmente com a insistência de alguns funcionários e empresários de pagar em dinheiro, querendo “economizar” ou com medo dos bancos. Você também pode facilmente perder dinheiro no caminho para casa.

Cheque

Uma transição natural do pagamento em dinheiro é o pagamento em cheque. Muito popular com o aumento da insegurança quanto à roubos e assaltos, o cheque como forma de pagamento de funcionários vem caindo em popularidade e sendo substituído por meios mais modernos.

Vantagens: por poder ser nominal, o cheque é mais seguro que o dinheiro. Ao perdê-lo, o empresário pode sustar o cheque e fazer outro para o funcionário, com um risco significativamente reduzido de perder dinheiro.

Desvantagens: impressão de folhas de cheques pode sair caro. Além disso, mesmo com máquinas de preenchimento de cheques, o procedimento de preencher o cheque de cada funcionário pode ser cansativo e uma perda de tempo desnecessária. Ainda é mais seguro que o dinheiro, mas quando um potencial ladrão te ver com um cheque de muito dinheiro em mãos, ele poderá facilmente tentar fazer com que você saque o dinheiro e entregue para ele.

Transferência bancária

Com a informatização do sistema financeiro brasileiro e a facilidade de acesso aos novos serviços bancários, a transferência bancária vem se popularizando entre empresários e também funcionários. Pode também ser um sistema automatizado, já que você pode agendar as transações ou fazê-las manualmente, além de integrar as transações automáticas a um sistema próprio de pagamentos que inclua bônus e benefícios.

Vantagens: segurança, economia de tempo, praticidade. Nomeie e você vai ver muitas vantagens na transferência bancária. Além disso, você pode automatizar todo o pagamento, economizando um precioso tempo de sua equipe que poderia ser melhor investido em outras tarefas relacionadas diretamente às atividades relacionadas à atividade de sua empresa. Pode sair até gratuitamente as transferências, principalmente se o empresário tiver um bom relacionamento com seu banco ou instituição financeira. E o preço das transferências compensam todo e qualquer risco envolvido por causa de roubos e assaltos.

Desvantagens: pode custar dinheiro. Essa é a única desvantagem para o empresário. Além disso, em empresas que tenham funcionários com escolaridade mais baixa, pode ser necessário um processo de treinamento para ensiná-los a usarem os serviços bancários. Uma conversa com seu gerente pode ajudar nisso, trazendo um funcionário do banco para explicar aos funcionários sobre como funciona o sistema e a necessidade de uma conta salário.

Outros

Com a parceria com um banco ou instituição financeira, sua instituição pode automatizar muito mais, até o pagamento de benefícios, com um custo bem mais baixo do que o tempo que um de seus funcionários poderia precisar para realizar todos os pagamentos. Muitos bancos também incluem a automatização do pagamento de benefícios em seus pacotes de serviços, o que é uma grande vantagem.

Considerações Finais

Tudo isso que citamos, inclusive a parte de como entregar os benefícios, faz parte de um plano de crescimento organizado para sua empresa, incluindo um plano de carreira sólido para seus funcionários. Imagine sua empresa com dois funcionários: pagar dois funcionários é fácil. Mas e quando forem 10? 15? Você já estará treinado para utilizar os serviços automatizados de uma instituição financeira?

Vale a pena até gastar um pouco mais com as transações bancárias no começo, poupar seu tempo precioso com isso e dar mais segurança à você e seus funcionários. Com o tempo, os custos baixam e você preservará seu tempo e de seus colaboradores para tarefas mais importantes.

O que vocês acham? Esquecemos de alguma forma de pagamento? Comentem abaixo!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)