Digamos que você acabou de fazer uma compra em um site de um produto X. Na semana seguinte, o preço do produto cai em uma promoção relâmpago. Você provavelmente fica se perguntando se poderia pegar seu dinheiro de volta para aproveitar a promoção. Legalmente falando, o máximo que você pode fazer, caso tenha comprado o produto online, é dentro de 7 dias de teste se arrepender de sua compra e retornar o produto, comprando o novo com o preço mais barato. Não há nada de errado nisso. Fora esta opção, o que você pode fazer é deitar no chão, se enrolar em posição fetal e rolar para os lados chorando o dinheiro perdido.

Mas eu não posso ter meu dinheiro de volta quando o preço diminui?

Se você conhece alguém que já foi, mora nos EUA ou se você conhece o país, sabe que lá tanto a venda de produtos quanto a prestação de serviços é de alta qualidade. Para a grande maioria dos produtos, o prazo de arrependimento dura 30 dias. Computadores, são 15, mas ambos já são prazos maiores que no nosso país. Ou seja, se dentro desse prazo você encontrar um produto mais barato, simplesmente devolva o que você comprou, pegue seu dinheiro de volta e pronto. Em algumas lojas, você pode ter que pagar uma porcentagem do preço para retornar o produto, mas nada muito absurdo.

Além disso, muitos cartões de crédito de lá (e até algumas lojas) garantem o reembolso de seu dinheiro pago a mais caso você encontre o preço mais barato para um produto. Existem limitações mas, ainda assim, é uma bela oportunidade para poupar dinheiro. Os lojistas que não praticam essa política pelo menos tem o bom senso de oferecer cupons e/ou descontos na próxima compra (a grande maioria dos lojistas), já que a competição é grande entre as lojas por lá.

Dinheiro de volta com descontos

Com o dinheiro ou o cartão na mão, seja paciente para negociar e até voltar na loja se encontrar preços melhores por aí, buscando sempre as melhores oportunidades. (Foto: www.insurancehotline.com)

E no Brasil, o que eu posso fazer?

Em nosso blog, sempre insistimos na importância em fazer o dever de casa antes de fazer as compras. Isso significa pesquisar e acompanhar preços constantemente para saber quando e onde encontrar as melhores oportunidades. Também significa que você tem que navegar online por vários sites, visitar lojas, anotar ofertas e saber negociar os preços para ganhar descontos, melhorias nos produtos ou até brindes gratuitos.

É considerável a melhoria na qualidade de negociação e de venda das lojas brasileiras, mas ainda estão muito longe do que são os EUA, exemplo mundial nisso. Porém, muitas das lojas já trabalham aqui com a regra básica do Bom Senso.

Como funciona o Bom Senso dos lojistas?

Suponhamos que o mesmo produto X que falamos ali em cima tenha sido comprado em uma loja física. O produto ganha um desconto 2 dias depois. Na lei, o fornecedor não é obrigado nem a trocar por outro, nem a devolver o valor pago, caso não apresente qualquer defeito. O prazo de arrependimento de 7 dias só funciona para compras por telefone ou online, não para compras físicas. Você sabe que terá que ficar com aquele produto então por um bom tempo.

Aí cabe o bom senso do vendedor. Você pega o anúncio com o preço do produto X com o desconto. Leva de volta ao lojista de quem você comprou o produto mais caro, junto com uma nota fiscal de quanto você pagou. Dificilmente ele devolverá seu dinheiro. Mas você pode perguntar ao lojista: o que você pode fazer por mim?

Se o lojista for um bom negociador e quiser fidelizar um cliente, ele irá, no mínimo, te oferecer um cupom de desconto para um ou mais produtos da loja. Ou pode te dar gratuitamente uma garantia estendida. Em raros casos, ele pode até te dar a diferença de volta, mas esses casos ainda são bem isolados. Isso tudo se chama bom senso, que significa agir de boa fé com o cliente e tratá-lo como um consumidor valorizado pela empresa.

Considerações Finais

Ainda estamos bem longe da perfeição na prestação de serviços e no varejo brasileiro. A crescente competição e a variedade de escolhas para o público fazem hoje com que os vendedores e lojistas tenham que se desdobrar para conseguir novos clientes. Por isso, essa prática de descontos, fidelização e Bom Senso está crescendo. Lógico, você poderá encontrar lojistas que acham que após vender um produto, acabam a relação contigo. Esse é aquele que nunca mais verá seu dinheiro. Um lojista bom se importará com o pós-venda, tratando bem seus clientes e valorizando o consumidor. Afinal, não se esqueça, quem tem o dinheiro é você.

Você tem uma história para contar sobre descontos e promoções? Compartilhe nos comentários!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)