Eu não sou um consultor financeiro, é claro, então eu não sou um especialista em ajudar com dicas de ações ou taxas de juros. Mas sou um especialista em lidar com pessoas e sei falar bem sobre um tipo específico de dor que vem junto com a vida financeira: a súbita e inesperada perda de bens e as emoções que se seguem.

Uma amiga compartilhou comigo que ela e seu marido estavam já aposentados, mas tinham perdido suas economias em um esquema Ponzi, que é um tipo comum de fraude financeira. Agora, tanto ela quanto seu marido voltaram para o trabalho, o que não era algo que eles imaginaram fazer em suas “aposentadorias”.

Um outro amigo disse que ele estava enfrentando problemas para pagar as parcelas da sua casa. Uma perda inesperada para ele, ele disse, em investimentos não bem pensados em empresas tecnológicas.

É verdade que as pessoas podem realmente sofrer com o dinheiro perdido, casas e empregos? Sim, e aqui está o porquê: qualquer tipo de perda pode desencadear uma reação de luto. Pense quando você perdeu algo importante para você. Talvez fosse um animal de estimação, um relacionamento, um carro, ou o seu projeto favorito no trabalho. Tente perceber se você experimentou alguma destas emoções:

  • Tristeza;
  • Raiva;
  • Culpa/Auto-censura;
  • Ansiedade;
  • Solidão;
  • Choque;
  • Saudade;
  • Descrença;
  • Confusão;
  • Preocupação.

Ou passou por um destes comportamentos-problema:

  • Distúrbios do sono e/ou apetite;
  • Distração;
  • Afastamento social;
  • Choro;
  • Inquietação.

Esta é apenas uma lista parcial dos sentimentos, pensamentos e comportamentos que fazem parte do processo de luto. Se você se lembrar que viveu com alguns destes quando teve uma perda, você provavelmente experimentou acima de tudo, a dor. Estamos acostumados a pensar nela como algo que ocorre somente após um ente querido morre. O problema com isto é que temos a tendência de não reconhecer os nossos sentimentos como tristeza quando perdemos algo diferente de um ente querido.

Então, nós realmente podemos sofrer com as perdas provocadas pelo dinheiro? Com certeza. Mas, mesmo nestes tempos difíceis, há maneiras de desenvolver resiliência e não se desesperar, mas prosperar.

Sofrendo financeiramente com sabedoria

Permita a você mesmo um tempo de luto financeiro, mas não deixe que esse luto tome conta de sua vida. (Foto: www.cnbc.com)

Complicações da dor financeira

A perda financeira não é apenas sobre o dinheiro. Provavelmente não seria tão devastadora se fosse. Aqui estão apenas algumas das outras perdas que vêm junto com uma queda brusca nos ativos:

Os planos para a aposentadoria

Essas ideias que você teve em se aposentar em alguns anos podem ter ido pelo brejo quando um de seus investimentos para tal fim acaba perdendo dinheiro, ter que mergulhar em suas economias mais cedo do que você pensou para manter sua casa, a sua empresa ganha muito menos do que antes, o desemprego, ou quando você acaba de perder sua casa.

Poupança para os estudos

Você pensou que seus filhos seriam capazes de ir para uma universidade de quatro anos e agora você está contando que eles consigam trabalhar e estudar ao mesmo tempo. Este não era o sonho que você imaginou para eles todos esses anos.

Habitação

Esse empréstimo que parecia tão bom há alguns anos, te deixa com dificuldades e fica difícil manter os pagamentos. Ou talvez você já teve que vender sua casa ou – a última coisa que você espera – você teve sua casa retomada pelo banco.

Estilo de vida

Seu estilo de vida pode ter tido um grande sucesso no último par de anos. Comer fora, férias, tempo e atividades de recreação, a compra de presentes para os outros. Muitas das coisas que você tomou como garantidas agora mudaram.

Roteiro de vida

Quando muito jovem, você começou a escrever um roteiro de vida para si mesmo. “Eu vou ser um médico”, “Eu vou ser um cientista”, “Eu quero trabalhar com animais”. Enquanto você cresceu, você expandiu seu roteiro, “Eu estou indo para ir para faculdade, terei um bom emprego, casarei, e viverei uma vida saudável e feliz”. Provavelmente, o seu roteiro de vida não inclui “Eu vou perder todas as minhas economias, quando eu tiver 60 anos” ou “eu vou confiar em alguém para me fazer um monte de dinheiro apenas para tê-los roubando tudo para que eu tenha que voltar a trabalhar quando eu tiver 70” ou “Eu vou comprar a casa dos meus sonhos e então não conseguir mais pagar as parcelas quatro anos mais tarde.”

A alteração abrupta de seu roteiro de vida, as mudanças no seu estilo de vida e habitação, e quebra de sonhos para você e sua família todos os ampliam as emoções que cercam a perda financeira.

A dificuldade em lidar com as perdas financeiras

Ainda assim, uma vez que podemos ver que tudo isso acrescenta-se a uma grande perda, por que é tão difícil expressar o pesar sobre as finanças? O que acontece com este tipo de dor que é diferente do que as emoções que sentimos quando perdemos alguém que amamos? Bem, há algumas complicações:

Constrangimento

É uma coisa para dizer a alguém que sua mãe morreu, mas uma coisa completamente diferente de compartilhar que você perdeu o seu dinheiro em um esquema Ponzi, pirâmide financeira ou algum outro tipo de golpe financeiro. Nós não costumamos conversar com os nossos vizinhos e amigos sobre questões relacionadas com dinheiro; não é uma das nossas normas culturais.

Perda de identidade

Você costumava ser um engenheiro de software que possuía uma casa e tinha dinheiro suficiente no banco para colocar os seus filhos na faculdade e agora você é um pai desempregado que perdeu a casa por não pagar as parcelas do financiamento e teve que mudar a família para morar com seus pais. Talvez a sua situação não seja tão drástica, mas você entende a ideia. Você se identifica com seu trabalho e seu status social, entre outras coisas, e ao passar pela perda, você pode não ter mais certeza de quem você é agora.

Sentimentos de traição

Lidar com a perda é difícil o suficiente sem a precipitação emocional adicionada a partir de sentir-se traído pelos bancos, credores hipotecários, o governo, golpistas, e a Bolsa de Valores no geral. Agora você está não só lidando com a dor, mas a raiva e o ressentimento também. Além disso, a raiva e o ressentimento podem estar em um cônjuge, amigo ou parente para quem você deu maus conselhos financeiros.

Negar a magnitude da perda

É muito fácil pensar: “Eu não deveria estar me sentindo tão mal. Não é como se alguém morreu. “Você desvaloriza seus próprios sentimentos porque “não é tão ruim assim”, como se fosse um acontecimento qualquer na sua vida.

O pensamento de que uma crise financeira é o mesmo que um fracasso pessoal

“Se eu fosse um melhor gerente de dinheiro, isso não teria acontecido. Eu sou um idiota.” “Por que eu escutei minha corretora de valores? Eu sabia mais do que eles. Isso é tudo culpa minha.” Estes pensamentos são muito fáceis de ter, mas com certeza, estão completamente incorretos sobre a situação e acima de tudo, sobre quem você é.

Falta de ritual social para este tipo de dor

Temos muitos rituais para a morte de uma pessoa: funerais, memoriais, meditação, homenagens, etc. Esses costumes nos ajudam com o fechamento e ajuste para o mundo sem o nosso ente querido. Mas não há rituais em torno da perda financeira e dos sonhos que se foram com ela. Ficamos nos sentindo inacabados e perdidos.

Então, é realmente muito complicado, não é?

Alegria financeira

A felicidade financeira é algo que alcançamos apenas com o equilíbrio e o reconhecimento de que muitas vezes iremos falhar. (Foto: www.traveling365.com)

Aprendendo a sobreviver e prosperar depois de um revés econômico

É possível e necessário que você supere a culpa após uma decisão financeira ruim. Você precisa voltar aos trilhos para reorganizar sua vida e prosperar. Para isso, você precisa seguir alguns passos que serão desafiadores mas, com certeza, te ensinarão lições importantes para o futuro.

Aceitação

Aceite o fato de que essa perda realmente aconteceu com você. A negação é um mecanismo forte e protetor. Ela ajuda a anestesiá-lo contra a dor até que você esteja pronto para lidar com a situação. Às vezes você precisa conscientemente fazer o movimento de negação, porém, e trabalhar em direção a aceitação. Se você está pensando: “Uma vez que o mercado de ações voltar ao normal, tudo vai ficar bem” ou “Mesmo que este novo trabalho pague a metade do que eu fazia antes, ainda podemos viver da mesma forma que antes”, você ainda está em negação. É hora de avaliar intencionalmente a sua situação e aceitar a sua realidade. Honre a teu próprio pesar sobre o que você perdeu. Isso realmente é uma perda – tome cuidado para não minimizá-la. E não resista.

Isso não significa desistir. Mas isso significa reconhecer tanto suas emoções quanto o fato de que você tem experimentado a perda econômica e financeira em vez de lutar contra elas. Indo com a correnteza do rio é muito mais fácil do que lutar para nadar contra a corrente.

Construa e use seu sistema de apoio

Encontre pessoas que você confia: seus amigos, familiares, líderes espirituais. Reúna sua equipe de apoio em torno de você, assim como você faria se você tivesse perdido um ente querido.

Converse. Você não tem que falar sobre as especificidades da perda, apenas os seus sentimentos sobre isso. Esta é uma maneira importante para você processar a sua dor e não ficar preso nela. Não se preocupe com o mercado de ações e tome o seu poder de volta. Ao falar sobre seus sentimentos relacionados com a perda financeira, você tira o poder do pesar financeiro e o coloca à luz do dia para ser melhor combatido.

Obtenha uma perspectiva diferente

É fácil ficar preso em ruminar o problema de novo e de novo, tentando “consertá-lo.” Mas seu foco fica muito estreito e o problema torna-se a única coisa em sua vida. Deixe de lado isso. Amplie o seu foco e veja o que mais está na sua vida.

Lembre-se que você já superou desafios passados. Quando você se depara com uma perda, pode parecer que é a pior coisa que já aconteceu com você. E pode até ser, porém lembre-se que você tem experimentado muitas dificuldades em sua vida e você fez o seu caminho através delas. Você tem que trabalhar com ela e isso não acontece magicamente. Mas tenha confiança no fato de que você superou desafios antes.

Assim que você reconhecer seu momento, viva no presente. Isso é difícil de fazer, mas um verdadeiro alívio quando você consegue. Em vez de ruminar sobre eventos passados ​​ou se preocupar demais com o futuro, tente ficar com o que está acontecendo agora. É uma ótima forma de mudar a perspectiva ao voltar a viver no presente.

Veja o que você pode aprender

Há uma lição em tudo. Talvez você fez algumas más decisões financeiras. Aprenda com seus erros. Talvez o seu sistema de valores foi excessivamente focado em coisas materiais. Saiba as alegrias da vida simples. Talvez seus filhos realmente não entendem o que era ser uma família até esse momento de crise. Ajude-os a aprender esta lição durante estes momentos difíceis.

Encontre os presentes

A areia que irrita a ostra, eventualmente, se transforma em uma pérola. A perda econômica que está ocorrendo agora pode ser a mesma coisa que você precisa aprender para prosperar em novas oportunidades que se abrem perante você. Aprenda novas habilidades, descubra novos prazeres e conhecimentos para poder prosperar.

Considerações Finais

Há presentes que podem ser encontrados em toda parte, mesmo na hora mais escura de nossas vidas. Aprendemos que somos muito mais fortes do que nós pensamos, aprendemos quantos amigos temos, quantas pessoas realmente nos ama, e encontramos a paz através da espiritualidade renovada.

O revés após um perda financeira pode não significar a recuperação de seu dinheiro ou bens substituídos, mas isso não significa que você não possa aprender a sobreviver e prosperar nos momentos mais difíceis.

Você vai tomar isso como uma oportunidade ou uma derrota?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)