A paixão e o amor podem nos deixar cegos. E você provavelmente já ouviu a estatística preocupante que o dinheiro é a causa mais comum de brigas entre os casais casados que vivem juntos. Um estudo também constatou que, de todos os tipos de brigas que os casais têm, aquelas sobre o dinheiro são as líderes em causar o divórcio. Por isso, é importante, quando se olha para um companheiro, encontrar alguém compatível com você financeiramente. Mas tome nota: Isso não significa que você tem que encontrar o seu gêmeo financeiro. Na verdade, é altamente improvável que isso aconteça.

Os opostos (financeiros) se atraem

Há pesquisas que suportam que é mais provável encontrar alguém que seja o seu oposto financeira. Você só tende a atrair essa pessoa. Se você é um protetor, você é mais suscetível de ser atraído por um gastador e vice-versa, e se você acabar com alguém com o mesmo arquétipo, um de vocês vai dar para trás. Se ambos são poupadores, então um irá se tornar menos e vice-versa. Resumindo: não tente ter o objetivo de estar com alguém trate do dinheiro da mesma maneira que você faz. Dito isso, você ainda pode tomar medidas para ajudar a garantir que você acaba com um bom jogo financeiro, não importa quais sejam suas diferenças.

As questões abaixo ajudarão a você e seu companheiro a se entenderem melhor e, mais importante, chegar num consenso financeiro que agrade ambos.

Quais são meus hábitos e comportamentos com dinheiro?

O primeiro lugar a ir para entender  é você mesmo. Entenda o que você faz com o dinheiro e por que você o faz. O que moldou a sua perspectiva sobre o dinheiro, os hábitos que você tem, a disciplina que você tem? Aprofunde a sua própria auto-consciência para que você saiba como isso influencia a sua expectativa do que alguém faz ou deixa de fazer

Quais os padrões financeiros do seu parceiro?

Através de atividades de conversação e do cotidiano, você provavelmente vai começar a ver como a pessoa que você está acompanhando toma decisões financeiras em torno de gastos, dívida, objetivos, etc. Você provavelmente nem sequer precisa observar ativamente, porque provavelmente algumas coisas vão naturalmente chamar a sua atenção. Se alguma coisa desencadeia preocupação, faça uma nota mental, mas não vá direto para questionamentos ou julgamentos, especialmente se você ainda está começando a conhecer a pessoa.

Você inclui dinheiro nos assuntos das conversas?

Assim como você está aprendendo mais sobre a família da pessoa, amigos, passatempos, etc., você provavelmente vai começar a cobrir naturalmente assuntos financeiros, seja por meio de falar de viagens, sonho de casamento, destino de férias ou presentes de amigos. Filmes, livros e seriados que tratam sobre o assunto muitas vezes dão ótimas oportunidades para discutir sobre dinheiro.

Cuidados financeiros para o casal

Você não precisa brigar por dinheiro para chegar em um consenso. É preciso dialogar para que o casal chegue no objetivo conjunto da felicidade financeira. (Foto: blog.conqueryourdebt.org)

Você faz perguntas com uma mente aberta?

Depois de perceber hábitos de dinheiro do seu parceiro, você pode ter algumas dúvidas. Mas, nunca faça uma pergunta que você mesmo não está confortável respondendo. Envolva-se de tal forma que seja mais por curiosidade e não porque você está fazendo um julgamento sobre o que alguém faz ou não faz. Se você achar que é um pouco estranho iniciar uma conversa, admita o fato. Você pode dizer: “Isso parece muito estranho para mim, mas eu quero entender como você lida com o pagamento dos seus boletos…” Não se impeça de fazer perguntas pois grande parte do problema é que estamos com tanto medo de falar de dinheiro que nós simplesmente não temos as conversas certas. Você deve estar confortável o suficiente para ter momentos íntimos com alguém, e também para perguntar-lhes sobre o dinheiro. Se o outro lado fica muito na defensiva nessas conversas, é um alerta vermelho a evitar.

Como você faz quando ouve algo sobre dinheiro que não gosta?

Se o questionário torna-se uma investigação mais profunda, ele vira um convite para uma conversa mais profunda. Se alguém diz que tem R$5.000 em dívidas de cartão de crédito, e está pagando apenas o mínimo, por que isso está acontecendo? Quais os motivos para fazer o pagamento só do mínimo, sabendo dos juros? Ao pesquisar a razão que seu companheiro está pagando apenas o mínimo, você pode descobrir que eles só podem pagar por isso no momento, mas uma vez que receberem um aumento, estão planejando já se livrar da dívida. Para não tornar a discussão desconfortável e passar a julgar com suas perguntas, perguntar “Por que?” é uma excelente forma de obter esclarecimentos bem completos sem julgar o outro.

Você trata de temas financeiros realmente importantes?

Se as coisas começam a ficar sérias, você vai querer saber quanto o seu parceiro em potencial ganha, seus perfis de dívida e de crédito, se eles estão economizando para a aposentadoria, tem outros objetivos financeiros e de poupança de emergência, e se tem investimentos. Você também vai querer cobrir gastos, poupança e orçamentação em geral, o passado financeiro, os planos para o futuro, e a filosofia sobre outros assuntos relacionados. desde filantropia até entretenimento. Você não deve se envolver e se mover em direção ao casamento sem ter encontrado alguma coisa sobre a situação financeira do seu parceiro. Imagine se casar com alguém e descobrir o que eles têm uma gigantesca dívida, que passa a ser sua também? É importante não só saber o que eles têm escondidos, mas qual a filosofia que eles têm para o futuro, se eles concordam em poupar, e usam cartões de crédito para obter recompensas de forma inteligente, mas não como fontes de empréstimo. O acordo pré-nupcial pode ser uma ótima opção para fugir de algumas dores de cabeça do casamento. Ou, se você estiver já casado, um conselheiro financeiro pode ajudar muito na reestruturação do orçamento do casal.

Você sabe quais os alertas vermelhos financeiros seu e do seu companheiro?

Apesar de seus esforços para entender onde a outra pessoa funciona, você pode chegar a um impasse sobre um assunto particular. O que é um alerta vermelho para uma pessoa não é para outra. É preciso estar ciente de que certos comportamentos, como mentir ou manter segredos sobre dinheiro, e intimidação financeira, são inaceitáveis. Muitos de nós pode se sentir culpada por algo que compramos. Talvez nós não deveríamos ter feito isso, mas você se sente culpado porque você não deveria ter gasto esse dinheiro em um novo par de sapatos ou porque o seu parceiro impôs a culpa em cima de você. Para os casais mais jovens, eles precisam dar um passo para trás e pensar se é algo que permeia todo o relacionamento, ou é uma tendência de curto prazo. Você pode precisar se afastar, se você estiver em uma situação perigosa e quando você não tem nenhum poder ou controle porque a outra pessoa levou o caso para longe de você e usa suas decisões sobre finanças para controlá-lo. Por exemplo, se você não sabe o login para a conta bancária, ou o seu parceiro não vai deixar você ver um relatório dos gastos no cartão de crédito, tente verificar na declaração do imposto de renda.

Considerações Finais

Exceto em uma situação grave, aprecie o processo de aprofundamento da sua relação em todos os sentidos, incluindo financeiramente. Muitas vezes, quando as pessoas falam sobre amor e dinheiro, é uma conversa que eles apenas absolutamente deixam de lado ou desconsideram completamente, porque eles sentem que vai ser um assunto muito pesado. Em vez disso, torne o “questionamento” um momento de entretenimento e diversão, conversando sobre sonhos, extravagâncias e brincadeiras.

Como você lida com dinheiro com seu companheiro ou companheira?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)