Se você está vivendo livre da dívida com um fundo de emergência decente, por favor envie este artigo para alguém que não esteja. Se você está vivendo com a dívida, esta informação irá ajudá-lo a mudar isso. Em primeiro lugar, se você está pensando em pagar alguém para consolidar a sua dívida, pare com isso. Ninguém precisa se beneficiar financeiramente para mover a sua dívida ao redor. Com as ferramentas certas, você pode se tornar livre de dívidas epor conta própria.

Você não precisa de crédito neste fim de ano

Provavelmente você precisa de crédito para alguma viagem, compras de fim de ano, presentes para amigos e familiares. As chances são de que você chegou a este artigo também para tentar arrumar crédito para estes fins. Mas por mais que a tentação seja grande, você não deve usar e nem tentar conseguir crédito para estes fins agora. Você precisa é, com urgência, conscientizar familiares e até amigos de que sua situação neste momento não é de gastos, mas sim, de economias.

Vamos compartilhar uma história aqui para você entender como sair da situação de negativado e até ter acesso a um crédito inteligente neste fim de ano.

Uma história de liberdade da dívida

Essa foi uma história que uma ex namorada me contou quando estávamos juntos. No processo, acabei dando algumas dicas para ela sair da dívida também. Mas vale o relato completo para vocês saberem como foi todo o processo.

Ela ganhou o primeiro cartão de crédito quando eu tinha 19 anos. O segundo, quando tinha 20 anos e estava usando um em cima do outro e rolando dívidas. Eventualmente, ela entrou em uma moratória de pagamentos e quase ficou suja na praça. Mesmo assim, percebeu que poderia muito bem continuar a viver em dívida. Isso era o que muitas pessoas fizeram, e ela ainda tinha acesso a algumas linhas de crédito. Fazia então pagamentos mínimos em cartões de crédito,  chegou a comprar um carro com uma taxa de juros horrível (porque não tinha recursos nem acesso a bom crédito para negociar, conseguiu um empréstimo para seus estudos e por aí foi continuando. Mesmo nessa situação, ainda se dava presentes e comprava presentes caros para os outros.

A medida em que ela foi envelhecendo, tinha um emprego melhor, fazia mais dinheiro, e fez o que todo mundo estava fazendo. Comprou um carro melhor, financiado com uma taxa de juros ruim, e dizia sim a quase todos os cartões de loja que eram oferecidos. Ela melhorou um pouco suas dívidas, mas manteve os gastos.

Ela teve que trabalhar mais, fazer mais para manter-se com uma grana extra além do que devia a todos e pensava que estava tudo bem. Na verdade, até eu mostrar pra ela alguns livros e artigos sobre o assunto da dívida, ela pensava que o resto da vida iria incluir mais gastos, mais contas e mais stress. Em um dado momento, ela deixou algumas contas pra trás por conta de problemas de saúde na família e teve o nome negativado. Era perto do final do ano e ela teria que mudar um pouco seus costumes.

Encontrando a paz em meio ao consumo

Paz financeira não é a aquisição material. É aprender a viver com menos do que você faz, então você pode dar dinheiro de volta e tem dinheiro para investir. Você não pode ganhar até que você faça isso. Se você comprar um carro R$28.000, em quatro anos ele valerá R$20.000, talvez um pouco mais. Ela sabia que os investimentos que tinha feito em carros não foram bons.

Como você lida com o seu dinheiro ou o maltrata nos diz quem você é e, mais importante , diz-lhe quem você é: suas prioridades, paixões, objetivos e medos são mostrados claramente no fluxo de seu dinheiro. O seu sistema de valores ou a falta dele faz com que o dinheiro flua em torno de você, por você ou para você . Quando o dinheiro está em posse de você, o que você faz com ele grita em voz alta quem você é.

Ao compreender isso, minha ex começou a entender melhor o que era o débito e por que sair dele.

Falta de liberdade com a falta de dinheiro

Liberdade. Algo que o dinheiro não compra, mas a falta dele vai roubar toda ela de você. (Foto: www.abowlfulloflemons.net)

O débito é normal. Seja diferente.

Você pode não saber desdes dados, mas mais de 40% dos brasileiros tem algum tipo de dívida e boa parte deles não quer pagá-las. Você tem que começar a mudar, ser diferente para poder tentar sair do débito e ter uma vida financeira melhor.

Quando comecei a conversar com minha ex sobre o assunto do débito, demorou até ela fechar as linhas de crédito abertas e cortar os cartões. Tornar-se completamente livre da dívida soou muito estranho para ela. Ela parou de comprar coisas que não precisava, se livrou de coisas que comprava que não queria e eu também ajudei, dando dicas de programas mais baratos para fazermos juntos. Ano passado (já não estávamos mais juntos, mas como amigos), ela fez o último pagamento do carro, e hoje, além do financiamento de um apartamento, está livre da dívida.

A paz de espírito que vem com isso, não pode ser comprada. É bem estranho? Ela me dizia que sempre pensava que teria um pagamento de carro ou dever a alguém. Sem dívidas, ela pode fazer escolhas com base em algo que não era dinheiro e agora tem até planejado se mudar do Brasil por uns tempos, pelo menos até o apartamento ficar pronto.

Começando a sair da dívida

Há muitas maneiras de sair da dívida, mas não são muitas que mostram como mudar o seu comportamento. Pequenos passos são necessários nesse processo para não causar um choque muito grande:

  • Construa um fundo de emergência de R$1000;
  • Liste todas as dívidas não-hipotecárias da menor a maior e pague-as utilizando o método de bola de neve da dívida;
  • Poupe um fundo de emergência maior com 3-6 meses no valor de despesas;
  • Invista 15% do lucro em contas de aposentadoria;
  • Economize para a faculdade para das crianças (se você tem)
  • Pague a hipoteca;
  • Construa a riqueza com investimentos diversificados.

Neste fim de ano, porém, duas dicas se destacam e são elas que quero enfatizar neste artigo.

Diga não aos gastos

Você tem que dizer a si mesmo não até mesmo para os desejos pequenos. Cubra suas necessidades e lide com os desejos quando você estiver livre da dívida. Aprenda a lidar com pouco para quando você tiver muito souber administrar melhor as riquezas.

Deixe de lado toda a culpa ou frustração que você tem sobre seus hábitos de gastos e dívidas

Não vai ser fácil, especialmente se você tem as agências de cobrança em seu pé para lembrá-lo sobre seus defeitos, mas faça isso. Faça isso por você e sua família . Você não gasta dinheiro de forma maliciosa. Você não contrai dívidas para acabar em uma confusão. Você acabou de fazer o que todo mundo estava fazendo. Você estava vivendo o “sonho”. Agora que você decidiu ser diferente, você pode deixar as emoções que você amarrou a seus hábitos de dinheiro pobres ir, e se concentrar em seus hábitos novos e melhorados.

Considerações finais

Pense em quantos dias você já não se estressou com suas dívidas. Quanto tempo você já perdeu. Quantos cabelos brancos já ganhou na cabeça. Veja também quantas vezes você teve que fingir que estava tudo bem. Você acha que é o único que faz isso?

Quando minha ex tomou a decisão de se tornar livre da dívida, se sentiu mais leve, mesmo que ainda tinha uma dívida. Quando ela tornou-se livre da dívida, chegou mais perto e mais determinados a viver uma vida melhor. Quando conversamos ano passado, ela disse que um dos motivos de termos terminado tinha sido o estresse que ela passava com as contas. Agora ela namora um cara super legal (amigo meu) e está tudo dando certo entre os dois, inclusive os planos deles.

Mas até chegar nesse ponto, ela passou uns dois anos sem dar presentes para amigos, passou a visitar brechós e nos finais de ano ao invés de se endividar, passou a preparar os presentes pros amigos. Foi criativa. Ela envolveu os familiares em seus problemas e tanto seu pai quanto sua mãe a ajudaram a sair do poço. Fuja do consumismo desta estação, se atenha apenas ao necessário e você terá muito mais tranquilidade.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)