Todo ano, muitos brasileiros sonham em trocar seus carros por um modelo melhor, mais completo ou pelo menos, mais recente. Para fazer isso, a maioria vende seus veículos antigos ou os usam como entrada para o novo carro, financiando o restante. Outros, compram já de cara um veículo usado por financiamento e alguns poucos conseguem pagar pelo carro à vista, pois planejaram a compra do veículo com bastante tempo de antecedência e muita paciência.

Agora, se você vai ter que financiar sua compra, nossa primeira recomendação é que você não faça isso. Mesmo as taxas atrativas do mercado brasileiro ainda são muito altas e farão os valores de seu veículo ir para as alturas. Isso muda apenas se você tiver mais de 50% do valor do veículo para dar de entrada, o que torna o financiamento menos pesado no bolso. Se você tiver 40% do valor do veículo que deseja financiar, já pode até pensar, com certas ressalvas, na compra do mesmo. Caso contrário, é hora de segurar um pouco mais as contas antes de fazer a compra do “carro novo”.

Agora, se você já separou seus investimentos em uma conta especial ou conseguiu vender/usar seu veículo para dar uma entrada no novo financiamento, o mercado está cheio de opções para quem quer um veículo novo. Porém, temos algumas ressalvas.

Financiando um veículo usado

Financie um veículo usado apenas e somente se você já tiver uma boa quantia para já abater do valor final. (Foto: contrapontopb.com.br)

Para aqueles que querem comprar um veículo que tenha mais de 10 anos de idade, a única opção é o empréstimo pessoal, pois os bancos não disponibilizam financiamentos e muito menos parcelamentos para estes veículos mais antigos. E os empréstimos pessoais tem valores baixos, o que pode não ser muito atrativo para quem ainda precisa muito dinheiro para inteirar o valor do carro.

Se o veículo tem menos de dez anos de idade, você tem a opção de um financiamento via leasing ou via CDC. A diferença inicial entre os dois é que no leasing, o banco ou instituição financeira é o proprietário do veículo até a dívida ser paga. Já no caso do CDC, a propriedade será sua durante todo o período do pagamento.

Em questão de valores, o leasing e o CDC diferem com taxas um pouco diferentes. O leasing tende a ter taxas um pouco menores, por dar mais segurança ao banco de que terá as parcelas pagas. Ou caso contrário, ele irá pegar o veículo de volta. O CDC é um pouco mais caro, mas o banco terá de entrar com um processo para o pagamento da dívida, não podendo vender seu veículo para tal fim.

O mais importante na hora de financiar ou pegar um empréstimo para a compra de um veículo, além de garantir uma boa entrada para a compra, é pesquisar as taxas do mercado. Elas variam muito e um banco estará mais do que disposto a negociá-las, caso você traga outros valores para comparação. Você ainda pode até ganhar um seguro por um valor menor, se não conseguir um desconto nos juros. Informação é o seu poder na hora da compra. Quanto mais, menos você irá gastar e mais terá para poupar e investir.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)