Às vezes, gastando mais em um carro inicialmente pode custar menos no longo prazo. O truque é saber quando investir. É relativamente fácil ver quais carros custam mais para comprar inicialmente. Mas é mais difícil saber o quanto você vai ficar enrolado com a depreciação, seguro, manutenção e reparação, e até mesmo o combustível. E isso só aumenta na medida em que o tempo que você tem o veículo passa.

Os fatores incluídos em nossas estimativas de custo proprietário são a depreciação, combustível, juros de financiamento, seguro, taxas de vendas, e média de manutenção e os custos de reparação. Estes não são constantes e variam de acordo com a região em que você mora e até a qualidade de seu mecânico. Não importa quanto tempo você possui o seu novo carro, verificando estas estimativas podem poupar um bom dinheiro ao saber quando vender ou quanto você vai ter que desembolsar para manter seu veículo em boas condições.

No site da Exame. eles disponibilizaram uma calculadora que faz um cálculo básico para você de quanto o seu carro vai custar. Se você quiser levar mais elementos em consideração, fazendo uma planilha para você mesmo, eis o que você deve colocar na planilha:

  • Depreciação: em média, ela é responsável por cerca de 48 por cento dos custos totais de propriedade ao longo de cinco anos. Depreciação é a perda de valor de um veículo durante um período definido. Para calculá-lo, comparamos o valor de um modelo novo com um de um ano atrás no mercado. A diferença percentual entre eles é a depreciação.
O real preço de um veículo

Você tem que levar em conta os custos ocultos de um carro na hora da compra. Não faça uma decisão leviana na hora de escolher seu veículo e pense muito antes de comprar. (Foto: art-scene.org)

  • Combustível: o ideal é que você saiba qual a média de consumo de seu carro e o preço médio do combustível que você utilizará, seja ele álcool, gasolina ou diesel. Tente ter uma idéia de quantos km você irá rodar por dia ou semana e aí você tem um preço médio de custos para cada mês.
  • Juros: diretamente ligado ao preço do veículo, e representa cerca de 11 por cento ou mais dos custos de cinco anos de posse. Tome cuidado com os financiamentos e busque quitar essa dívida o quanto antes, te poupando o pagamento desnecessário de juros.
  • Seguro:os custos do seguro variam dependendo de vários fatores, incluindo a idade, localização e registro de condução. E eles podem aumentar dramaticamente os custos de propriedade de modelos que de outra forma parecem acessíveis. E nos tempos de hoje, ter um seguro para seu carro é praticamente uma obrigação, não opção.
  • Manutenção: custos de manutenção e reparação compõem cerca de 4 por cento dos custos de propriedade de mais de cinco anos, em média, de acordo com dados de assinantes. Isso muda muito dependendo do modelo e do estado de conservação.
  • Impostos: todo ano cada carro tem de pagar os impostos e o seguro obrigatório. Inclua estes valores em sua planilha.

Levando estes elementos em conta, no final você deve pesar os benefícios e as desvantagens de se ter um carro. Se os custos forem muito altos, talvez seja melhor a compra de uma moto ou optar pelo sistema público de transporte. Ter um carro , ainda mais em grandes cidades, pode ser um estresse muito grande, seja com o trânsito ou com o próprio carro. Portanto, não deixe de analisar todas as alternativas antes de escolher a melhor opção para suas necessidades.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)