O ideal ao comprar um carro ou uma moto é que você tenha o dinheiro a vista para conseguir o maior desconto possível no valor total do produto. Quando isso não é possível, é melhor que você tenha a maior quantidade possível de dinheiro guardada para dar de entrada ou esteja preparado para muitas parcelas de um financiamento.

Entusiasmados com as grandes quantidade de recursos que bancos, montadoras e outras instituições financeiras proporcionam na hora de financiar um veículo, muitos são iludidos por valores de parcelas e esquecem das taxas de juros mensais às quais estarão submetidos. Portanto, ao levar em conta as variáveis, escolha qual a melhor forma de pagamento do seu veículo, seguindo nossas dicas e indicações.

Pagamentos à vista

É, sem dúvida alguma, a melhor forma de pagamento para um veículo. Proporciona os maiores descontos no valor total do produto e as maiores possibilidades de negociação. Contudo, o comprador tem de deixar um fundo de reserva para o caso da compra de um veículo usado, apenas para as reformas e reparos que serão necessários. Esses reparos giram entre 5% e 10% do valor total do veículo, podendo ser mais altos dependendo do ano de fabricação do mesmo.

Conhecimento de taxas para poder negociá-las

O essencial vale para qualquer forma de pagamento: pesquise bastante. Uma mesma marca de carro ou motos pode ter valores diferentes dependendo da concessionária, ou brindes que valham mais a pena o valor a ser pago. Pesquise muito antes de tomar uma decisão definitiva de compra. (Foto: noticias.band.com.br)

O pagamento pode ser efetivado através do cartão de débito, cartão de crédito (dependendo do limite), transferência bancária, cheques ou mesmo dinheiro vivo. Não gaste demais na compra e fique sem dinheiro depois disso. A falta de uma folga financeira pode ser muito ruim para a saúde de suas finanças.

Financiamento de veículos

Independente do tipo de financiamento para seu veículo, seja por crédito direto ao consumidor ou mesmo um em sistema de leasing, algumas dicas funcionam universalmente.

Em primeiro lugar, tente dar o maior valor de entrada possível. Quanto maior for o valor de entrada do financiamento para o veículo, menor vai ser a quantia de dinheiro que você precisará no empréstimo e, consequentemente, menor o valor dos juros Em segundo lugar, compare mais de um financiamento e volte para negociar: todas as instituições financeiras tem uma margem de negociação. Use isso a seu favor e nunca aceite a primeira oferta, por melhor que ela seja.

Uma boa opção para quem precisa de dinheiro e de um veículo com urgência

Se você tem muita pressa para a compra de um veículo novo, tenha certeza de ter economizado o máximo possível para dar uma boa entrada na compra e precisar do mínimo valor em um empréstimo ou financiamento, pagando os menores juros possíveis. (Foto: rfreportagem.blogspot.com)

Não ultrapasse 24 meses de financiamento. Se as parcelas dentro desse prazo não couberem no seu orçamento, busque um veículo mais barato ou espere um pouco mais. Este prazo limite é para que você não seja sobrecarregado de juros e acabe pagando o valor de um outro carro com um prazo mais longo. Lembre-se também que taxa 0% de juros não existe. Portanto, quando o vendedor tentar te empurrar essas taxas, saia logo dessa armadilha.

Nunca atrase  pagamento do financiamento, pois as taxas de atraso e os juros só pioram com o tempo e o banco poderá limitar seu acesso ao crédito quando você mais precisar.

É importante salientar que o leasing e o financiamento não é liberado para veículos com mais de dez anos de fabricação. Se sua opção é um veículo mais velho, você terá de optar diretamente pelo crédito direto ao consumidor, o empréstimo pessoal.

O pagamento do financiamento é feito diretamente pela instituição financeira com a loja/concessionária ou pelo próprio comprador, como pagamento à vista, no caso de empréstimos pessoais. Lembrando que no leasing, o veículo só será repassado ao comprador quando as parcelas forem todas pagas. Pense bem antes desta escolha e tenha uma dor de cabeça calculada.

Consórcio

Se você já tem um veículo, está vendendo o mesmo e não tem pressa alguma na obtenção de um novo, o consórcio é a melhor opção para você. Com taxas normalmente menores do que no financiamento, você terá de pagar todo mês um valor fixo para ter o direito a participar do sorteio do veículo novo. Um número limitado de usuários é premiados por mês e você pode aumentar suas chances caso faça um “lance”, que consiste no depósito de uma quantia maior do que a mensalidade normal de seu consórcio. Este dinheiro pode vir da venda de seu veículo natural ou da compensação do seguro de um veículo seu que tenha tido perda total.

Financiamentos de veículos para maior mobilidade

Comprar uma moto pode ser a melhor opção para os trabalhadores que precisam chegar rápido ao trabalho mas que não tem essa opção por causa de congestionamentos constantes. Elas também são opções bem mais baratas do que os carros. Mas muitos ainda tem o preconceito devido a segurança que a moto não proporciona. (Foto: motos125cc.org)

O pagamento é feito diretamente para a concessionária e o consórcio só funciona para veículos novos, deixando de fora veículos usados. O mesmo sistema que funciona para financiamentos funciona aqui, com a pesquisa e informação como elementos chave para os melhores preços. Lembrando que esta opção só é boa para aqueles que não tem pressa na compra de um veículo novo.

Economia mensal

A maior parte dos economistas e estudiosos de finanças recomenda que aqueles que desejam comprar um veículo separem todo mês um valor em uma conta a parte para a compra do mesmo, em uma aplicação financeira de baixo risco. Assim, você pode planejar quanto tempo precisará para comprar o veículo e poderá pagá-lo a vista. Não comprometa mais de 30% do rendimento familiar neste investimento, ou você terá dificuldades financeiras que dificilmente serão sanadas. Estabeleça também um prazo limite para a compra do veículo. Assim, você terá motivação e dinheiro suficiente para conseguir realizar seus sonhos.

Pensamentos finais

Leve sempre em conta as necessidades de sua família mas nunca leve sua família para a compra de um veículo. O lado emocional envolvido na compra pode prevalecer sobre a racionalidade. Seja sábio, pesquise bastante e converse com a família longe da concessionária. Depois, é só fazer bom proveito de sua mais nova aquisição.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)