Trabalho com importações desde meus 15 anos de idade. Já são 13 anos de trabalho e espero sempre lidar com este mercado. Com esse tempo todo de experiência, aprendi algumas informações extremamente importantes para aqueles que querem importar algo sem sair da poltrona de casa. O processo vai demandar um pouco de paciência e planejamento, mas nada que seja uma grande dificuldade. E a dica mais importante é saber quando comprar para não ter dores de cabeça.

O problema do funil brasileiro

Até pouco tempo atrás, havia recintos alfadegados em vários estados do Brasil. Estes recintos são responsáveis por receber, analisar e taxar (quando necessário) as encomendas internacionais. Há diferentes tipos de recintos, mas o que estou falando aqui são os responsáveis por pequenas encomendas, aquelas não voltadas para relações industriais ou de comércio. O problema é que boa parte deles foi fechado. Hoje temos, se eu não estiver enganado, Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro recebendo estas encomendas.

Com o aumento do poder de compra do brasileiro e consequentemente, o maior acesso à internet, muitos passaram a comprar de sites estrangeiros. Naturalmente, houve um grande aumento das encomendas que chegavam ao Brasil, sobrecarregando os recintos alfandegados, que já tem poucos funcionários. Em Belo Horizonte, a exemplo, eram 1000 encomendas por dia para 3/4 fiscais analisarem.

Empresas “courier” tem prioridade nessas avaliações. Isso significa que UPS, FEDEX entre outras de serviços um pouco mais caros tem geralmente prioridade na avaliação da alfândega, com encomendas saindo mais rápido. E mesmo pedindo a encomenda por EMS, um tipo de envio onde há um acordo global entre vários correios para maior rapidez de entrega, o funil da alfândega acaba com a rapidez.

Pesquise por relatos e você verá várias pessoas postando fotos de suas encomendas e a demora dentro do Brasil. Além disso, lidamos também com uma má armazenação dos bens. Mais de uma vez minhas caixas de encomendas chegaram danificadas, sendo que em uma delas a caixa estava cheia de livros mofados por ter sido molhada.

Tudo isso faz parte do nosso funil brasileiro. A única forma de evitá-lo são usando os serviços do FEDEX e/ou UPS, mas poucas lojas online oferecem estes serviços e eles são geralmente mais caros, mas valem muito a pena.

Quando comprar produtos importados?

Importados de todos os tipos são mais baratos lá fora do que aqui. Mas tome cuidado com a época da importação para não ter que esperar demais. (Foto: franquiasbaratas.org)

O prazo médio de entrega

Se você pedir hoje uma encomenda, esqueça o prazo dado por qualquer site de correios nacional ou internacional, ou até um courier. A média de tempo começa com 1 mês para a entrega, chegando facilmente a dois meses na maior parte dos casos, salvo aqueles que optarem pelos serviços courier, nos quais a entrega é agilizada.

Como comprar com a segurança da chegada do produto intacto?

Além de fazer o pedido de seguro total do produto, não deixe de pagar por ferramentas como o PayPal, que possibilita abrir disputas no caso de não entrega dos produtos. Mas reforçamos que os correios estatais não tem boas políticas de seguros. Geralmente, os Correios brasileiros jogam a culpa para os internacionais e vice versa. Por isso, de novo: vá de courier e use o PayPal (ou serviço similar)!

Como calcular o prazo de entrega?

Com os serviços courier, geralmente os prazos são sempre respeitados. Em outros meios de envio, como já disse anteriormente, o prazo mínimo é de 1/2 meses, podendo chegar antes em alguns raros casos.

Qual a melhor época para fazer sua encomenda?

Janeiro, fevereiro, março e julho. São os meses onde há um menor número de encomendas por coincidirem com as “férias escolares” e o Carnaval. Isso não garante que haverá um tempo menor de entrega dos produtos, mas garante que você terá maiores chances de pegar um menor volume de encomendas nos recintos alfandegados.

Fuja, de qualquer jeito, dos meses de novembro/dezembro e de qualquer encomenda que possa chegar nesses meses. São as épocas onde há a maior quantidade de encomendas internacionais entrando no Brasil.

Separe o dinheiro para os impostos sempre

Esqueça aquele papo de que encomenda abaixo de US$50 declarada como presente (“gift”) não é taxada. Produtos oriundos de endereços de lojas são sempre taxados e se você tenta mentir ou omitir o valor real do produto, além de cometer um crime, você estará sujeito a uma taxa muito maior que será dada pelo fiscal da alfândega. Portanto não espere que seu Playstation 4 venha pelos correios internacionais sem algum imposto. Há máquinas de raio-x nos recintos alfandegados que identificam os produtos.

Para pagar a taxa, uma carta chegará em sua casa dizendo para você buscar o produto em uma agência X dos Correios e os valores dos impostos federais (60% do valor original do produto) e do ICMS (que varia entre os estados brasileiros). Calcule sempre o dólar como o múltiplo de 10 arredondado para cima mais próximo do valor do dia da compra na hora de calcular os impostos. Exemplo: se o dólar fechou a R$2,36, faça os cálculos como o dólar sendo R$2,40.

Nunca deixe de acompanhar sua encomenda

Sempre peça o número de rastreamento ao vendedor. Alguns tipos de encomendas mais baratos não tem número de rastreamento (tracking number), portanto garanta antes estes números antes de confirmar a compra.

Esperamos ter ajudado com estas informações. Se falta alguma coisa ou se vocês ainda tem algum tipo de dúvida, não deixem de comentar no espaço abaixo!

2 comentários para “Qual a melhor época do ano para fazer compras de importados pela internet?”

  1. Frederico

    Só uma atualização, não tenho tido problemas com compras em novembro, porém compras em dezembro, mais precisamente final de dezembro e início de janeiro tem demorada de 4 a 6 meses para serem entregas.

    Responder
    • Equipe Crédito ou Débito

      Sim. Normal esse volume maior, porque coincide com grandes promoções no exterior.

      Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)