Há ocasiões na vida em que temos de nos voltar para nossos amigos em busca de conselhos. “Devo assumir esse trabalho?” É um deles. “Ela ou ele vale a pena namorar?” Pode ser outro. Muitos de nós pensamos que devemos olhar também para nossos amigos como consultoria de investimentos, tornando-os nossa fonte número um de informações para a tomada de decisões financeiras.

Isso é lamentável. Seus amigos são as últimas pessoas de quem você deve procurar a sabedoria financeira. A não ser que um dos seus amigos se chame Warren Buffet, as chances são incríveis de seus conselhos serem péssimos.

Primeiro, é muito provável que seus amigos não sabem o que diabos eles estão falando ao recomendar investimentos específicos ou corretores. Precisa de um exemplo? Bernie Madoff era “o cara” para muitas pessoas. E você não pode apenas investir com Madoff, tinha que ser indicado. Uma pirâmide financeira feita por círculos de amigos, onde muitas pessoas inteligentes e conhecedores caíram neste golpe.

A verdade é que a maioria de nós não tem idéia se estamos recebendo orientação boa ou ruim do nosso conselheiro escolhido. Tudo isso aponta para o fato de que o nosso analfabetismo financeiro coletivo é imenso, quando se trata de que tipo de responsabilidades nós e nossos conselheiros temos para com nosso dinheiro.

Amigos nem sempre tem os melhores conselhos

Para conselhos financeiros de amigos, uma das decisões mais sábias talvez seja tampar seus ouvidos. (Foto: business.time.com)

Para uma nação de milhares de consultores financeiros, uma pequena porcentagem já sabe fazer bem um planejamento financeiro adequado e personalizado. Se dentro dos especialistas da área, a minoria consegue fazer estes planejamentos, como um amigo seu pode ser uma melhor opção como conselheiro?

Qual são os riscos dos conselhos dos amigos? Eles podem te aconselhar a investir em uma empresa que acabou de lançar suas ações na Bovespa, sem analisar nenhum documento financeiro da mesma. Podem te levar a fazer investimentos em imóveis que não serão tão lucrativos assim. Um amigo que dá um conselho financeiro muito bom tem grandes chances de estar exagerando também para contar vantagens. E a verdade nua e crua é que  os melhores conselhos financeiros são chatos. Eles não permitem que as pessoas se vangloriem de suas proezas. Tudo o que é exigido de quem deseja investir para as melhores chances de alcançar seus objetivos é determinar a sua tolerância ao risco, prazo e da quantidade de dinheiro que eles podem se dar ao luxo de deixar de lado. De lá, eles precisam colocar o seu dinheiro para trabalhar, diversificando investimentos e seguindo dicas financeiras que podem ser muito cansativas, mas valiosas no médio e longo prazo.

A melhor forma sempre de investir é a busca pelo conhecimento. Leia mais livros sobre finanças, pesquise na internet as dicas de especialistas da área, estude. Conhecimento é poder. E no caso das finanças, conhecimento é dinheiro.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)