Sua carreira é o seu ativo financeiro mais importante. Como tal, é preciso gerenciá-lo com cuidado, pois isso pode fazer a diferença entre uma vida boa uma carreira de apenas poucos dias ou anos. Mas porque tanto foco em sua carreira? Qualquer coisa que coloque em risco ela é um assunto muito, muito sério. E pode ser o começo de uma espiral para uma vida pobre, tanto pessoalmente, quanto financeiramente.

Considere estes cenários

O que você faria se o seu chefe pedisse para você:

  • Fazer algo que seja ilegal (talvez pedir o despejo de alguns materiais tóxicos);
  • Fazer algo que seja imoral (contar uma mentira sobre um assunto importante);
  • Fazer algo que seja contra suas crenças pessoais (demitir um funcionário capaz, simplesmente porque o patrão não gosta dele pessoalmente).

Assim, seu trabalho está na linha, isso poderia impactar toda a sua carreira. Se ela vai mal, a sua família está contando com sua renda, e seu chefe lhe pede para fazer algo parecido com os itens listados acima. O que você faz?

Compartilhando uma experiência pessoal

Eu nunca fui convidado para fazer algo ilegal ou imoral, mas já me pediram para fazer algo contra as minhas crenças pessoais.

Meu chefe odiava uma das minhas principais funcionárias na escola em que era coordenador. Esta empregada em particular era um tanto conservadora, assim como meu chefe, mesmo ele sendo homossexual. Acho que a empregada lembrava ao chefe de si mesmo e seus próprios desafios para controlar o seu conservadorismo e o preconceito que ele tinha contra ele mesmo. De qualquer forma, o chefe queria dar um jeito para demitir este funcionário. Eu perguntei por que (apesar de concordar no conservadorismo, era uma das melhores professoras que eu tinha, na minha opinião). Meu chefe realmente não poderia ter razão para deixar ela ir, mas já estava cogitando várias formas diferentes para demiti-la. Eu sempre tive uma filosofia para deixar o seu mau desempenho dos funcionários documentado. E já que a empresa tinha um longo processo até demissão, eu estava esperando que meu chefe iria mudar sua mente durante o tempo em que o processo avançou.

Era como caminhar num campo minado por vários meses, enquanto eu equilibrava a situação, mas, eventualmente, o funcionário atendeu às nossas expectativas e o chefe passou para outras questões. Mas a escrita estava na parede para mim: meu chefe me pediu para fazer algo que eu sentia era errado e eu recusei.

Esse caso só veio para ilustra uma série de outros pedidos que meu chefe fazia e que eu tinha completa noção de que não funcionariam na prática. Afinal, eu tinha toda uma base de estudos em Pedagogia, sabendo onde a escola estava errando e onde poderia acertar. Enquanto isso, tinha um chefe que se achava dono do conhecimento e que estava me levando a tomar atitudes e ações que prejudicavam a escola, os professores e principalmente, os alunos que estava ali para aprender.

A ruína pessoal da ilegalidade financeira

Ganhar dinheiro de forma ilegal pode ser o começo de uma grande ruína financeira e uma ruína interior pessoal muito pior. (Foto: blog.instantcheckmate.com)

Uma questão de saúde

Lembrei-me desta história na semana passada, porque eu entrei em contato com o pessoal da empresa por causa de valores que ainda me devem. A escola, que já chegou a ter mais de 600 alunos, hoje está com 200, e baixando. O coordenador da escola é agora meu antigo chefe, voltando ao cargo do qual ele já tinha sido dono no passado, mas que realmente, nunca deixou alguém assumir e tomar controle da escola.

O resultado, é que vários alunos eram enganados pelo departamento comercial, vários processos contra a escola, problemas com professores que não receberam o que lhes era devido, falta de cooperação, um clima altamente pesado. Um chefe que queria mandar e que todos fizessem as coisas da forma dele, mas achava que dava autonomia para tomarmos decisões por conta própria.

Ao final do meu tempo na empresa, eu já estava com burnout e em depressão. Tomo remédios ainda para me recuperar do trauma que foi questionar minhas crenças e ideias. Agir de forma imoral e até ilegal, com a forma que tínhamos para contratar professores e colocá-los em férias. Deixei funcionários ótimos saírem da escola por conta de gostos pessoais de alguém que não tinha visão humana, mas só de dinheiro e lucros. E aí é onde chegamos ao ponto principal deste artigo: e o dinheiro?

Você faria algo ilegal/imoral por dinheiro?

Ao ficar tanto tempo indo contra minhas crenças, acabei demorando ainda mais tempo para me recuperar fisicamente e mentalmente do trauma, para voltar a ganhar meu dinheiro. Passei um bom tempo perdido, perdendo oportunidades pelo caminho e tendo de retornar à minha cidade natal para me recuperar. Perdi dinheiro, minha organização financeira foi toda pelo brejo, tudo isso por causa de uma empresa que me pagava bem menos do que o mercado paga para o posto em que eu estava.

Aprendi muito naquele tempo, fiz amizades e hoje, vejo que tomei a decisão certa. A tendência é que aquela escola acabe, já que os vícios e o principal responsável por eles ainda estão na escola. Financeiramente, profissionalmente e pessoalmente, tomei a decisão certa e até o fim do ano, devo estar ganhando cerca de 50% a mais do que ganhava na escola.

Considerações finais

Tratar mal as pessoas, passar a perna em alguém, roubar. Tudo isso, vai contra minhas crenças. É muito melhor e duradouro ganhar meu próprio dinheiro pelo meu próprio esforço. Muitas vezes, invejo muitos amigos e colegas que ganham mais do que eu, mesmo tendo bem menos tempo de carreira. Mas paro para refletir, respiro fundo, fico feliz por eles e analiso quais são os caminhos que podem me levar ao sucesso financeiro de forma justa também.

Ao fazer algo ilegal, você ainda corre o risco de ser preso. E aí, acabaram-se todos os sonhos e luxos. Prefiro ficar com minhas dívidas, minha reestruturação financeira, do que ficar às custas de um dinheiro que não é meu.

De qualquer forma, algum de vocês já enfrentou situação como essa (ou pior)? O que você fez? E se você não viveu, o que você faria se você se enfrentar essa questão?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)