Uma das realizações mais dolorosas que eu tive quando eu comecei a colocar a minha vida financeira em ordem era que meu trabalho realmente não me dava tanto dinheiro quanto parecia. Suponha que meu salário seja de cerca de R$24.000 por ano para os cálculos deste artigo. Então, vamos usar isso como uma linha de base para estabelecer quanto você realmente ganha por mês (e você vai entender porque comecei pelo cálculo anual).

Agora, por alto, é realmente um bom dinheiro. Se eu trabalhasse 40 horas por semana, durante 50 semanas por ano, eu estaria ganhando R$12 por hora, certo?

Bem, isso não é inteiramente verdade. Afinal, este é meu salário bruto, sem descontos de impostos, custos e muitas outras coisas que não consideramos.

Impostos que você deve levar em conta na hora de calcular seu salário líquido

Vamos começar pelo INSS. A tabela de valores de contribuições muda anualmente. Mas as três faixas e contribuições ficam mais ou menos da seguinte forma:

  • Até 1.247,70: 8% de contribuição;
  • De 1.247,71 até 2.079,50: 9% de contribuição;
  • De 2.079,51 até 4.159,00: 11% de contribuição.

Já para o imposto de renda, a base de cálculo muda, pois tem de seu cálculo reduzidas a contribuição ao INSS, o valor (não fixo, muda a cada ano) de R$ 171,97 por dependente legal e a contribuição para o vale transporte (mais informações abaixo). Vale lembrar que dependente legal pode ser o marido, mulher, filho, filha ou enteados até 21 anos (pode ser até 24 anos se forem universitários ou estiverem cursando escola técnica de segundo grau), todos não declarantes de IR. A contribuição fica nos seguintes valores para cada faixa salarial após calculados os descontos. Os valores entre parenteses são os valores das deduções do imposto de renda para cada alíquota de contribuição (estes valores aumentam durante o ano, mas usamos um valor fixo para fins de praticidade):

  • Até 1.710,78: contribuição zero para o IR;
  • De 1.710.79 até 2.563,91: 7,5%  (R$ 128,31);
  • De 2.563,92 até 3.418,59: 15% (R$ 320,60);
  • De 3.418,60 até 4.271,59: 22,5% (R$ 577,00);
  • Acima de 4.271,59: 27,5% (R$ 790,58).

Vale lembrar que há vários rendimentos isentos do IR. No site do UOL, existe uma lista bem completa, mas que pode mudar anualmente. Caso algum deles seja descontado do seu salário, eles não entram para o cálculo do IR. Exemplo: se você tem uma ajuda de custo de R$200,00 no seu salário, ele não entra no cálculo de contribuição para o IR.

Custos com transporte

Vamos falar de custos de vale transporte aqui. Não estamos falando de auxílio gasolina ou qualquer outro tipo de transporte. O desconto do vale-transporte recebido é de até 6% do seu salário bruto mensal. Ou seja, mesmo que a empresa gaste mais do que isso no seu vale transporte, ela só poderá descontar 6% de seu salário para ajudar nos custos. Ou seja, no meu salário de R$2000,00, o empregador pode descontar no máximo R$120,00 de meu salário, mesmo que eu use muito mais em transporte.

Para fins práticos, não vou incluir aqui cálculos para quem usa transporte próprio para ir ao trabalho, ou vocês ficarão muito tristes com os valores finais de salário. Mas para fins informativos, para calcular os custos de transporte, você deve calcular:

  • Valor de manutenção mensal do seu veículo (troca de óleo, alinhamento e balanceamento de pneus, freios, limpeza etc);
  • Revisões;
  • Gastos mensais com combustível;
  • IPVA;
  • DPVAT;
  • Taxa de licenciamento;
  • Financiamento do veículo (se você fez um).

Some estes valores e divida por 12 para ter o total mensal que você gasta com seu veículo. Não se surpreenda se o valor for muito maior do que seus custos de vale transporte ou se você está pensando em deixar de receber o vale transporte para usar o dinheiro extra e pagar o financiamento. O veículo próprio ainda ficará mais caro do que simplesmente receber o vale transporte de seu empregador.

Salários menores nos cálculos

Se dê um tempo, sente sobre seu salário e calcule seus ganhos. Talvez, eles são bem menores do que você imagina. (Foto: www.fasterlouder.com.au)

Custos com vestuário

Para trabalhar, não dá pra usar a mesma roupa o ano inteiro, não é? Então, podemos considerar os custos com roupas algo fixo. Vamos considerar o valor de R$500,00 anuais com roupas para trabalho, o que é uma estimativa bem abaixo do normal. Aqui estou calculando apenas roupas para o trabalho e sem custos de vestuários para a família.

Custos com alimentação

Podemos assumir como um custo com alimentação razoável algo em torno de R$200,00 para uma pessoa só e até para uma família, se há mais pessoas para dividir custos com você. Se o valor varia um pouco, faça uma média dos últimos 3 meses e coloque em seu cálculo mensal, depois multiplicando por 12.

IPTU e custos com casa

Devem ser incluídos neste cálculo:

  • Valor do condomínio;
  • Aluguel;
  • Financiamento (se você está financiando sua casa própria);
  • IPTU.

Caso queira um valor ainda mais detalhado e um salário mensal ainda mais específico, você pode incluir no cálculo:

  • Conta de luz;
  • Telefone;
  • Água;
  • Gás;
  • Internet;
  • Plano de saúde (caso tenha);
  • Custos com saúde (caso tenha algum custo fixo).

Contribuição para o imposto de renda

O salário para o cálculo de contribuição muda a cada ano. Ao ter ele calculado, ele leva em consideração todos os impostos que você já pagou e foram retidos na fonte. Estes valores são então descontados do que você deve ao fisco e então, você pode ficar ainda devendo um pouco mais de impostos ou ter direito à restituição. A exemplo: se você tem que pagar R$1.000,00 de imposto de renda, mas de seu salário durante o ano já foi deduzido um total de R$1.500,00, você terá direito a R$500,00 de restituição. É uma explicação bem simples, mas que funciona para fins de cálculo do salário.

Como a tabela de contribuição muda a cada ano, vamos usar a tabela de 2014 como exemplo:

Base de cálculo anual em R$

Alíquota %Parcela a deduzir do imposto em R$
Até 20.529,36

De 20.529,37 até 30.766,92

7,5

1.539,70
De 30.766,93 até 41.023,08

15,0

3.847,22
De 41.023,09 até 51.259,08

22,5

6.923,95
Acima de 51.259,08

27,5

9.486,91

Décimo terceiro salário, adicional de férias, FGTS e bônus

Recebendo décimo terceiro, meu salário anual então iria para R$26.000,00 com o décimo terceiro. O adicional de férias, após 12 meses de trabalho que eu tenho direito (caso você tenha trabalhado menos tempo, décimo terceiro é proporcional), é de 1/3 do meu salário total, que dá um valor aproximado de R$667,00. Somando, eu tenho um salário anual de R$26.667,00.

Como você recebe indiretamente o FGTS e poderá usá-lo em algum momento da sua vida, devemos incluí-lo no cálculo, pois é um investimento feito em seu nome. Ele é calculado com base na remuneração de cada um, dependendo do tipo de contrato e não é descontado do seu salário, na seguinte proporção:

  • Menor aprendiz: 2% sobre a remuneração;
  • Demais empregados: 8% sobre a remuneração.

Posso assumir então que meu salário, somando todos estes valores, é de R$28.800,36 por ano. Se você recebe algum bônus, faça uma média dos últimos três meses e some ao seu salário, multiplicando por 12.

Diploma e dinheiro de mentira

Aquele momento em que você acha que um diploma vale muito dinheiro mas descobre que sua hora de trabalho vale realmente menos de R$5,00…(Foto: mycollegeguide.org)

Calculando o salário líquido

Partindo destes valores, você pode calcular quanto você ganha por ano, mês, semana, dia e até por hora. Você deve somar todos os seus ganhos e deduzir, primeiramente, todos os impostos. Meu salário anual bruto é de R$28.800,36. Mas já que meu salário mensal é de R$2000,00, meus impostos mensais são:

  • INSS: R$180,00 mensais;
  • Vale-Transporte: R$120,00 mensais;
  • IR: R$127,50 (calculado sobre o valor de meu salário bruto, menos a contribuição para o INSS e menos o vale-transporte, que não é tributável);
  • TOTAL: R$1682,50.

Vale lembrar que este é um valor aproximado de meu salário mensal líquido, pois não sou um profissional para fazer este cálculo. Mas o valor não irá mudar muito desse valor não.

Multiplico então o valor por 12, que é meu salário anual. O valor total será de R$20.190,00. Sobre o décimo terceiro salário, ele é dividido em duas parcelas. Sobre a primeira parcela, não há incidência de IR nem INSS. E vamos supor que eu não estou recebendo proporcional. Eu receberei R$1000,00 na primeira parcela e na minha segunda parcela, eu tenho descontado o INSS e o IR sobre o valor total de R$2000,00, mas sem descontos de vale-transporte. Resumindo, para o décimo terceiro:

  • INSS: R$180,00;
  • IR: R$136,50.

Como já tenho no valor de R$20.190,00 o meu décimo terceiro calculado, basta apenas deduzir os valores acima, que me dá um total de R$19.873,50 anuais ou R$1656,13 mensais. Este é meu salário líquido, o salário líquido formal, anual e mensal. Com este salário, eu provavelmente teria direito a alguma restituição, calculando minhas deduções mensais. Mas há muito a se considerar para o imposto de renda. Caso você queira calcular uma estimativa, pegue seu IR do ano passado e use o valor de contribuição como um norte para a sua contribuição deste ano. Caso queira algo mais específico, um contador pode te ajudar a calcular com maior exatidão os valores.

Agora, o salário líquido não é o seu salário real.

Quanto você realmente ganha por mês?

Quero assumir como um salário real aquele dinheiro que sobra no final do mês para investimentos ou gastos avulsos. O dinheiro que fica no seu bolso depois de todos os custos que você tem para sobreviver. É lógico que tais custos são variáveis, mas devemos considerar que estes custos, no momento que você está empregado, buscando um emprego ou querendo um novo emprego, são fixos. Vamos então aos custos:

  • Vestuário: R$500,00/ano;
  • Alimentação: R$200,00/mês ou R$2.400,00/ano;
  • Casa (internet, plano de saúde, aluguel, condomínio, IPTU) : R$700,00/mês ou R$8.400,00/ano.
  • TOTAL DE CUSTOS: R$11.300,00.

Deduzindo os custos de meu salário líquido, tenho:

  • SALÁRIO REAL: R$8.890,00/ano ou R$740,83/mês.

O valor total você pode dividir por mês, por semana (aproximadamente R$148,17), por dia de trabalho (aproximadamente R$29,63) ou por hora de trabalho (aproximadamente R$3,37 por hora de trabalho em uma rotina de 44 horas semanais). Posso cortar os custos e ter mais dinheiro no salário, se eu quiser ou julgar necessário.

E vale lembrar muito bem que aqui eu calculei o FGTS como parte do meu salário, que é um dinheiro ao qual eu não tenho acesso diretamente. Se eu não incluísse ele aqui, o valor seria ainda menor de dinheiro ao qual eu efetivamente tenho acesso todos os meses.

Por que saber estes valores é tão importante?

Sempre que você está pensando em seu próximo trabalho ou o seu próximo passo na carreira, você precisa pensar por esse tipo de coisa. Muitas vezes, um trabalho que parece que você ganha grande salário ou é uma grande oportunidade realmente não é e um trabalho que parece que você não vai estar ganhando muito, na verdade, deixa você com um monte de dinheiro em seu bolso. Quando você levar em conta coisas como estresse e flexibilidade da programação, às vezes o trabalho “pior” é apenas o melhor trabalho para você.

Lógico que este cálculo não é algo altamente formal. Mas é uma forma de você aprender a valorizar mais seu tempo, seu trabalho e principalmente, saber encontrar o emprego que será mais justo às suas capacidades e habilidades.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)