O rendimento real é o retorno que um investidor receberá após a taxa de inflação ser descontada dos lucros de um investimento. A matemática é simples: se um investimento dá 10% de rentabilidade em um determinado ano, e a taxa atual de inflação é de 6%, o o rendimento real é de 4%. O mesmo cálculo pode ser usado para fundos de investimentos, ações, títulos, debêntures, enfim, qualquer investimento.

Por que os investidores se preocupam com o rendimento real?

A razão pela qual existe esse cálculo é que a inflação vai reduzindo o poder de compra de seu dinheiro. Pense nisso desta maneira: este ano, você precisa de 200 reais para alimentar sua família por uma semana. Se a inflação está em 6%, então o próximo ano que mesmo carrinho de compras de alimentos vai custar 212 reais. Se o retorno de seus investimentos é de apenas 1%, então você só tem R$202 no final do ano, ou seja, não o suficiente para manter-se com o aumento dos custos. Isso torna seu investimento menos atraente e não protegido da inflação. Como resultado, é importante prestar atenção aos retornos reais, ao invés de apenas retornos nominais.

Como aplicar o rendimento real às suas decisões de investimento?

Às vezes, os investidores precisam aceitar um rendimento abaixo da taxa de inflação em troca de segurança. Isto é especialmente verdadeiro hoje para os investidores mais velhos ou aqueles já na aposentadoria. Uma série de investimentos de menor risco, tais como títulos do tesouro, debêntures, títulos de capitalização e fundos de renda fixa não pagam altos rendimentos suficientes para permitir os investidores a manter-se equilibrados com a taxa de inflação, pelo menos obtendo um rendimento real pequeno em relação à inflação. Mas para aqueles que necessitam de segurança acima de todas as outras considerações, os rendimentos reais negativos ou em equilíbrio com a inflação são um mal necessário.

Importância do rendimento real

Analisar seu rendimento real ajuda na estratégia de diversificação de sua carteira de investimentos com a segurança de ganhar poder de compra. (Foto: divulgação)

O que é rendimento real negativo?

O termo “rendimento real negativo” se refere à situação única quando rendimentos de títulos estão abaixo da taxa de inflação, o que significa que os rendimentos reais foram negativos. Um exemplo simples é:

(2% de inflação) – (1,5% nominal de rendimento do Tesouro aplicado por 10 anos) = (-0,5% de rendimento real)

Esta é uma situação incomum; ao longo da história, Títulos do Tesouro tem oferecido rendimentos reais positivos. No entanto, os investidores continuaram a comprar devido à segurança dos títulos estatuto como um “porto seguro” e a garantia de que aqueles que detêm seus títulos até o vencimento verão o capital reembolsado.

Fórmula de cálculo do rendimento real

Existem calculadoras online que fazem o cálculo automático, sendo necessário apenas que você digite os valores e a inflação do período. Mas é interessante você saber a fórmula para ter em mente o cálculo sempre, antes de aplicar o investimento. A fórmula é chamada de equação de Fisher não derivada, e é como se segue:

Rentabilidade Real = [(Rentabilidade Nominal + 1) / (Inflação + 1)] – 1

Obs.: porcentagens devem ser transformadas em números. Exemplo: 7% = 0,07; 11% = 0,11; etc.

A Rentabilidade Nominal é o rendimento bruto, descontando as taxas de administração do investimento, Imposto de Renda Retido na Fonte (para o momento do saque apenas), bônus por desempenho e demais taxas e tarifas agregadas a um dado investimento. Veja bem: não basta apenas descontar a inflação do investimento. Na equação acima, estamos considerando a taxa nominal e a taxa real de juros para o investimento.

Exemplos de cálculo do rendimento real

Vamos usar a poupança como exemplo. No momento em que este artigo foi escrito, depósitos na poupança estavam rendendo 0,6427% ao mês ou 7,7124% ao ano. índice de inflação IPCA acumulado de 12 meses está em 8,13%. Supondo que a taxa de inflação se mantenha a mesma e a rentabilidade da poupança se mantenha a mesma, um investimento na poupança terá uma rentabilidade real como se segue:

Rentabilidade Real da Poupança = [(0,077124 + 1) / (0,0813 + 1)] – 1

Rentabilidade Real da Poupança = (1,077124 / 1,0813) – 1

Rentabilidade Real da Poupança = 0,997 – 1

Rentabilidade Real da Poupança = – 0,003

A rentabilidade real da poupança é de -0,3% em 12 meses, ou seja, o investidor estará PERDENDO poder de compra e dinheiro ao deixar o dinheiro parado na poupança.

Vamos analisar agora um investimento mais lucrativo mas também muito seguro: título do tesouro direto com vencimento em 01/01/2017 e rendimento prefixado em 13,64% ao ano. Você vai aplicar nesse título por 12 meses, em 01/01/2016. Para a comparação, vamos imaginar que a inflação se manterá estável em 8,13% durante estes 12 meses. Qual será a rentabilidade real do título do tesouro então?

Rentabilidade Real do Tesouro = [(0,1364 + 1) / (0,0813 + 1)] – 1

Rentabilidade Real do Tesouro = (1,1364 / 1,0813) – 1

Rentabilidade Real do Tesouro = 1,051 – 1

Rentabilidade Real do Tesouro = 0,051

Ou seja, durante os 12 meses de aplicação no título do Tesouro com vencimento em 2017, você terá uma rentabilidade real de 5,1%, acima da inflação, ganhando poder de compra e tornando este um investimento seguro e lucrativo.

Considerações Finais

O rendimento real de um investimento não é a consideração primordial em todos os casos. Os investidores também precisam se concentrar em nos objetivos a longo prazo, a duração dos investimentos, e a tolerância ao risco. Ainda assim, é importante estar ciente de quanto será o impacto da inflação sobre seus retornos de investimento. Ao avaliar um investimento, não se esqueça de considerar o seu rendimento real ou potencial de retorno real, ao invés de simplesmente olhar para o seu desempenho sem pensar se ele vai ajudar você a manter o poder de compra de seu dinheiro investido.

Você faz o cálculo da rentabilidade real antes de investir? O que você considera antes de investir seu dinheiro?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)