Ao comprar algo, seja ele um produto ou um serviço, as três principais formas de pagar são: dinheiro, cheques ou cartões de crédito e débito. Cheques, cartões de crédito e cartões de débito oferecem conveniência, porque você não tem que ter dinheiro na mão. Usando o dinheiro ou cartão de débito significa que o dinheiro é tirado de você instantaneamente, pois transações de débito, na maioria, são tomadas a partir de sua conta no mesmo dia. O vendedor terá que descontar seu cheque antes de receber o dinheiro. Os cartões de crédito permitem que o vendedor receba fundos de imediato ou em até 30 dias, mas você não tem que pagar até que sua fatura de cartão de crédito seja cobrada. Mas como saber qual a melhor forma de pagamento baseado em tão poucas informações? Vai variar dependendo da situação, do produto e do serviço.

Pagamentos em dinheiro: a melhor forma de pagamento

O dinheiro é a forma de pagamento mais poderosa. Isso porque quando pagando à vista, o dinheiro físico dá a oportunidade de negociar por descontos pagando à vista. Além do mais, não há exceções de pessoas que aceitam pagamento em dinheiro. Mesmo pela internet, o pagamento de boletos pode ser considerado um pagamento em dinheiro e na maior parte dos sites na rede há descontos consideráveis para pagamentos à vista no boleto.

Porém, andar com dinheiro é um grande risco, pois você pode perder o dinheiro e ser assaltado. Uma dica para minimizar esse risco é andar com quantias certas de dinheiro e só usar maiores quantias se você tiver certeza que está indo pagar por algum produto ou serviço.

Pagamentos em cheque: ainda uma opção em cidades pequenas

Em cidades pequenas, onde não se tem acesso a formas mais modernas de pagamentos como os cartões de crédito e débito, o cheque é uma forma segura de não ter que andar com muito dinheiro e poder assim pagar sem muitos problemas. Ele possibilita também o parcelamento de compras, coisa que o dinheiro físico não deixa.

Assim como toda forma de pagamento, ele ainda tem riscos. Muitas pessoas assinam as folhas e as deixam em branco, correndo um grande risco de alguém mal intencionado usar o cheque para fins de benefício próprio. Outra coisa que acontece bastante é a clonagem de cheques, que pode resultar em prejuízos financeiros grandes para quem os utiliza. Sua dificuldade em ser rastreado e o fato que ele pode ser sustado ou ser um “cheque sem fundo” tem deixado esta forma de pagamento cada vez mais em desuso.

Melhor forma de pagamento

Apesar da popularização dos cartões de crédito e débito, o dinheiro ainda domina como melhor forma de pagamento no mercado. (Foto: vilamulher.terra.com.br)

Pagamentos com cartões de crédito e débito: o dinheiro de plástico

É a forma mais segura de “carregar” seu dinheiro. Os cartões de crédito ainda oferecem a vantagem de poder parcelar itens, pagar sem ter o dinheiro em mãos, entre outras vantagens, como os programas de recompensa. Por serem formas de pagamento de alta tecnologia, dificilmente são alvos de fraude, apesar de isso também acontecer, mas mais por descuidos do usuário. A vantagem aqui é claramente a flexibilidade e segurança.

Já a desvantagem é que como você não “vê” o dinheiro, você também não sente o impacto no bolso. Por isso, se você não tiver um bom controle financeiro e disciplina, pode acabar tendo uma dívida de cartão bem alta ou deixando sua conta no vermelho. Com responsabilidade, o cartão pode ser um ótimo aliado. Mas sem ela, ele pode se tornar seu pior inimigo.

Bônus: usando as trocas para pagar por itens e serviços

Apesar de ser pouco usada, alguns ainda optam por trocar produtos e serviços por outros, de valor equivalente ou mais baratos. Vale a pena considerar aqui que pode ser uma boa opção se você não tem dinheiro e o serviço equivalente a ser fornecido pode dar uma boa opção de pagamento. Não é uma forma muito ortodoxa mais, dependendo da situação, pode ser muito bem vinda, quando bem utilizada.

A desvantagem aqui é que não há muita segurança nem garantias. Vale mesmo é o bom senso e o código de honra das pessoas envolvidas na troca.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)