Dicas financeiras que funcionam desde a época dos seus avós!

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

Seus avós (ou talvez bisavós) foram melhores do que você em poupar dinheiro. Se você pensar muito sobre isso, a maioria de vocês provavelmente vão concordar com essa afirmação. Há uma série de razões pelas quais eles foram melhores e algumas coisas que podemos aprender com esses fatos. Vamos mergulhar direto para essas razões.

Consciência de crises econômicas

Vamos começar com uma das principais razões: a Grande Depressão de 1929. Se os nossos avós não tivesse vivido com ela, eles certamente estavam cientes disso pelos seus pais. Vivendo ou perto de tempos financeiros desastrosos, eles estavam bem cientes do potencial para tempos difíceis. Sabendo que a qualquer momento o fluxo de renda poderia ser reduzido a um fio, eles tiveram que estocar dinheiro simplesmente para sobreviver. Além disso, porque eles provavelmente tinham menos dinheiro do que nós, eles eram mais suscetíveis a crises financeiras, o que mais incentivaram-los para poupar. “Mas não teve Crise de 29 no Brasil”. Teve sim, sentimos os efeitos com a crise do café e seus efeitos foram devastadores para nossa economia.

Nenhum cartão de crédito

A disponibilidade de crédito não era o que é hoje, quando quase todo mundo consegue um cartão, às vezes sem sequer pedir. Na primeira metade do século 20, as pessoas realmente tinham o trabalho de pedir e aplicar para o crédito. Esse dinheiro era realmente necessário para as despesas de investimento que viviam e não apenas como um fator de conveniência. A mera existência de cartões de crédito transformou este país de cabeça para baixo em termos de gastar mais do que nós fazemos.

Marketing

Com a ingenuidade de hoje, o marketing está no topo. Especialistas em marketing qualificados podem habilmente identificar e acertar a população que eles querem vender e fazer seu produto parecer indispensável. Imprensa, rádio, televisão e anunciantes de mídia digital sutilmente atraem-nos a pensar que o produto em questão nos fará mais bonitos, mais fortes mais saudáveis, mais populares, mais felizes, e assim por diante. Isso pode ou não ser verdade, mas eles fazem um excelente trabalho de nos convencer de que é. O trabalho de um profissional de marketing é fazer com que nós gastemos o nosso dinheiro e não poupá-lo.

Nada de entretenimento conveniente

Quando você pensa o que seus avós poderiam fazer para o entretenimento, o que vem à mente? Você provavelmente os imagina sentados na varanda conversando com amigos e vizinhos, ou ouvindo rádio, ou talvez jogando damas fora da barbearia. Isso é um pouco diferente das nossas opções de entretenimento de hoje: védeo game, aluguel e pay-per-view de filmes, televisão por satélite e assinaturas de rádio, academias, computadores, iPods, veículos de passeio, e a lista vai só crescendo. Eles provavelmente gastaram muito pouco dinheiro em entretenimento, onde podemos regularmente e facilmente hoje em dia dispender de centenas de reais por mês.

Viveram com mais dificuldade

Nossos avós foram capazes de aproveitar a vida sem a facilidade de interruptores e botões que nos dão rapidamente o que queremos. Quanto mais dinheiro você teria por mês, se você não pagar por telefones celulares, internet, energia elétrica para ar condicionado, microondas, computadores, vários televisores, máquinas de café, etc? As despesas com serviços públicos “regulares” para cobrir todas as conveniências domésticas que desfrutamos são bastante substanciais. Sem sequer imaginar nos custos dos aparelhos e gadgets, o custo de energia por si só é bastante considerável.

Futuro financeiro

Respeite os mais velhos. São eles quem te darão as mãos para ensinar preciosas dicas para um futuro mais promissor e estável. (Foto: gransnet.com)

Mais difícil de gastar dinheiro

Embora este combina elementos dos fatores mencionados anteriormente, era simplesmente mais difícil de gastar dinheiro 60 ou 70 anos atrás. Minha avó não podia simplesmente ir online, comprar um vestido novo, e por alguns dólares extras tê-lo entregue diretamente na sua porta. Meu avô não teve a oportunidade para dar um lance em um produto pouco utilizado no MercadoLivre. Não havia shoppings e lojas a poucos minutos de carro da casa de todos. A viagem para a cidade era um grande evento e exigia muita preparação. Uma vez na cidade, pode ter havido apenas duas ou três lojas em que se podia gastar o seu dinheiro. Agora, se eu quisesse, eu poderia sentar na minha varanda de volta com uma conexão de Internet sem fio no meu laptop, visitar qualquer um dos milhares de comerciantes online, e com o meu cartão de crédito gastar milhares e milhares de reais em questão de minutos.

A moral deste artigo

Eu só posso imaginar o que o conselho de poupança meus avós pode me dar agora, se eles ainda estavam vivos. No entanto, eu acho que poderia ser algo como abaixo:

Gastar dinheiro é fácil, especialmente quando você não pensa nisso. Nossos avós e bisavós podem ter sido melhores em poupar dinheiro do que nós, mas isso não é desculpa para nós para não poupar. Com um pouco de premeditação e consciência financeira pessoal, todos nós podemos nos tornar melhores em poupar o nosso dinheiro suado.

Conclusão

Cuidado com o comerciante. Eles podem fazer você pensar que você precisa e/ou merece seu produto, quando na realidade você não precisa de nada disso. Seja cauteloso com a facilidade de compra online. Antes de apertar o botão para finalizar a compra, pergunte-se se você precisa comprar isso, se você tinha que ir até a loja mesmo para obtê-lo.

Nunca, nunca, nunca tenha como garantida a estabilidade financeira e o sucesso que seu país desfruta. A maioria de nós têm desfrutado de uma vida livre de preocupações muito sérias sobre a estabilidade econômica do nosso país. Tempos atuais de protestos, crise do petróleo (que tem aumentado exponencialmente os custos), inflação alta e os custos crescentes de saúde deve tornar-nos mais conscientes do fato de que a situação do nosso país poderia facilmente começar a desabar em breve

Esteja preparado para isso e seja o orgulho de seus avós, ao mesmo tempo!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário