Para escolher entre um banco público privado ou banco público no Brasil, você deve entender os critérios que te levam a escolher o melhor lugar para deixar seu dinheiro e administrar suas finanças, com os menores custos para os serviços do nosso mercado financeiro que você julgar necessários no seu dia a dia.

Essa escolha é fácil, pois escolher uma conta em qualquer banco precisa que você pesquise, compare e avalie os produtos, serviços e qualidade do atendimento. Só que ao fazer a escolha entre um banco público ou privado, algumas questões vem à tona e tornam-se muito importantes na decisão de onde ter sua conta.

Considere seus hábitos financeiros

Ao escolher uma conta corrente, considerar seus hábitos e preferências bancárias e tente combiná-los com recursos de uma conta. Tenha em mente como você tende a gerir o seu dinheiro. Por exemplo, perfis mais conservadores tendem a correr para os bancos públicos por maiores garantias de uma gestão segura das finanças, enquanto investidores moderados a agressivos buscam contas em bancos privados por oferecerem produtos e serviços que melhor atendem às suas necessidades de investimentos.

Escolhendo entre um banco público e um banco privado

Antes de escolher um tipo específico de conta corrente, você precisa selecionar um banco. Os critérios a serem considerados são relativos aos seus hábitos financeiros.

Conveniência

Conveniência de acesso a agências do banco ou caixas eletrônicos é uma característica importante a considerar, incluindo também a questão de filas e facilidade de acesso ao seu gerente. Se você viaja com frequência fora de sua cidade natal para o trabalho ou lazer, pode ser essencial para abrir uma conta corrente em um banco com uma extensa rede de caixas eletrônicos e um serviço de internet banking que proporcione facilidade de acesso a serviços em qualquer lugar que você esteja. Pode ser valioso o acesso a um banco com muitos agentes financeiros e empresas conveniadas.

Comparando entre bancos públicos e privados neste aspecto, há uma pequena vantagem para os bancos públicos, que estão presentes em mais municípios no Brasil e até no mundo. Mesmo assim, muitos bancos privados não ficam muito atrás, pois nos últimos anos a expansão dos bancos e instituições financeiras foi considerável, colocando-os frente a frente com a presença dos bancos públicos.

Na questão da facilidade de acesso aos gerentes e o tempo de fila, depende muito da escolha do local da sua agência e não tanto se o banco é público ou privado. Por exemplo, agências nas regiões centrais de cidades tendem a ficar sempre cheias, enquanto agências de bairros, mais afastadas, tendem a ficar mais vazias. Novas tecnologias, como sistema de senhas, tem sido usadas para reduzir o tempo de fila, mas sem muito sucesso. Portanto, o fator conforto é muito mais importante e neste aspecto, pela minha experiência, bancos privados tem uma leve vantagem, apesar de ser uma escolha mais subjetiva.

Comparando bancos públicos e privados

A escolha entre bancos públicos e privados deve ser feita em conjunto a um bom dever de casa, pesquisando, principalmente, suas necessidades perante o mercado financeiro. (Foto: divulgação)

Tipos de conta e serviços disponíveis

Você gosta de visitar o banco sempre ou prefere fazer o máximo possível online? Precisa de um gerente para auxiliar nos seus investimentos? Quais tipos de empréstimo ou seguros você precisa ou pretende usar no futuro? Qual tipo de investidor você é? Aqui, entramos nas maiores diferenças entre bancos públicos e privados.

Bancos públicos, historicamente, oferecem juros mais baixos para empréstimos. Isso seria ótimo por si só, não fossem os bancos públicos também serem mais criteriosos ao oferecerem tais empréstimos, com maior burocracia para estabelecer limites de empréstimos e também de cartões de crédito.

No âmbito dos investimentos, bancos públicos tem investimentos menos agressivos, mas investimentos de renda fixa são mais lucrativos e garantidos em bancos públicos, já que eles são legalmente impedidos de assumir riscos agressivos perante o mercado.

Serviços básicos, como por exemplo DOC e TED, geralmente não estão inclusos nos pacotes de serviço de entrada nos bancos públicos, sendo necessário o pagamento de tarifas por tais serviços extras.

Já bancos privados oferecem maiores limites para empréstimos e cartões. Estes são oferecidos com menos burocracia, mas juros um pouco maiores e um Custo Efetivo Total menos vantajoso. Há bancos privados que, inclusive, oferecem dias sem juros no cheque especial, além de descontos em pacotes de serviços de acordo com sua relação com o banco.

Em investimentos, os bancos privados assumem mais riscos, por não terem as mesmas limitações que os bancos públicos. Isso é bom para quem tem um perfil investidor de moderado a agressivo, aumentando tanto a possibilidade de ganhos quanto a possibilidade de perdas.

Nos serviços básicos e nos pacotes, os bancos privados também são mais vantajosos, pois oferecem os mais variados pacotes com serviços gratuitos inclusos e preços mais baratos. Há também uma maior margem para negociação de preços e custos com bancos privados, pois bancos públicos tem que dar maior satisfação ao Estado.

Quem tem a intenção de abrir uma conta para obter cartões e empréstimos do BNDES, deve analisar mais a questão da qualidade dos serviços e do atendimento, já que as taxas de juros e custos variam muito pouco entre os bancos públicos e privados.

Custos da conta

Depois de encontrar um banco com as opções que melhor atendem às suas necessidades, você deve descobrir quanto ele cobra pelos serviços a você oferecidos. Seu objetivo deve ser o de tentar obter a conta corrente livre de taxas de manutenção mensal e sobretaxas, mesmo que seja apenas por um período pré-estabelecido. O clima bancário é extremamente competitivo, e que pode trabalhar a seu favor, já que os gerentes tentarão sempre obter mais um cliente.

Há muitas maneiras para obter uma conta gratuita. Você pode escolher um dos pacotes padronizados pelo Banco Central, ou um pacote básico do banco de sua escolha. Este segundo pode estar atrelado a mais vantagens, como cartão de crédito sem anuidade incluso na mensalidade do pacote de serviços ou o direito ao acesso de serviços únicos, como cheque especial sem juros. Uma maneira comum de obter uma conta corrente gratuita ou com custos mais baixos é ter o seu salário depositado diretamente na conta ou comprar um valor específico no cartão de crédito todos os meses.

Bancos públicos tem custos mais em conta, mas menos serviços “gratuitos”; bancos privados tem custos mais altos, mas mais serviços “gratuitos”. Pese bem suas escolhas de acordo com suas necessidades financeiras.

Considerações Finais

Se for possível, abra uma conta em um banco privado e uma conta em um banco público. Assim, você aproveita o melhor dos dois mundos, mas lembre-se que também carregará os custos dobrados das contas.

Você prefere bancos públicos ou privados? Por que?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)