Seu trabalho se foi, a sua conta bancária está diminuindo e o pote de dinheiro sentado em sua conta de aposentadoria para está tentador. Mas as sanções financeiras prováveis que você incorre para descontá-lo fazem do abandono da Previdência quase sempre uma má ideia. Quase sempre é melhor deixar o dinheiro parado ou fazer um rolamento da dívida. Mas quando vale a pena tirar o dinheiro da Previdência Privada?

A retirada do dinheiro

Ao sacar, você não só é tributado e penalizado, mas você também perde os ganhos que o dinheiro poderia ter gerado. Você não vai mesmo recuperar todo seu dinheiro, independente do que o banco disser. Isso principalmente se o rendimento da Previdência tem sido negativo nos últimos meses.

Portanto, o saque tem que ser tido como última opção de abandono de quem está na Previdência Privada. Não que esta opção deva ser descartada (veremos mais abaixo por quê), mas deve ser pensada com muita cautela.

Deixando os fundos para trás

As pessoas tendem a não prestar atenção à forma como os seus ativos do plano são investidos e eles perdem o controle desse balde de dinheiro. Em alguns casos, porém, deixando o dinheiro onde ele está pode fazer sentido. Se não houver necessidade de acessar o dinheiro, o primeiro passo que alguém deve fazer é dar uma olhada nos rendimentos e projeções do plano de Previdência Privada, além de buscar outras opções de baixo risco para comparação, como investimentos no Tesouro Direto.

Geralmente há apenas um bom motivo para deixar seus fundos de aposentadoria para trás. Se o seu plano permite-lhe pegar dinheiro emprestado a partir dele, deixá-lo parado pode lhe fornecer um backup quando o dinheiro começa a ficar fraco, como se fosse um fundo de emergência, desde que o prazo mínimo de permanência para saques sem descontos seja respeitado e que você já tenha em mente o planejamento do pagamento da dívida.

Outra razão para não deixar seu dinheiro para trás: os planos de previdência privada são muitas vezes carregados com as taxas que os participantes nem sequer conhecem. Embora as regras para aumentar a transparência existam, ainda não são muito claros os rendimentos. Assim, a ideia é sempre somar todas as taxas, somar os rendimentos anuais e mensais (tirando as taxas) e comparar com outros rendimentos de baixo risco para saber se realmente a Previdência Privada tem sido a opção mais rentável e segura.

Lembre-se antes de transformar os valores em porcentagem, dividindo o resultado da soma dos rendimentos menos as taxas pelo valor total disponível na sua Previdência Privada.

Exemplo: se você tem investidosR$1000 em sua conta ao início de um ano, a taxa cobrada pelo seu plano de Previdência é de 4% sobre o rendimento obtido e o rendimento foi de R$36 no ano, você terá a seguinte conta

R$36 / R$1000 = 0,036%

Este é o rendimento bruto da sua Previdência. No caso do rendimento líquido, você deve fazer a seguinte conta:

R$36 – 4% (R$1,44) = R$34,56

R$34,56 / R$1000 = 0,03456%

Este então é o rendimento líquido. Tanto o rendimento bruto quanto o líquido podem ser usados para comparações simples com a taxa de inflação anual e outros tipos de investimentos. Se o resultado do Plano de Previdência for menor que dos outros rendimentos, principalmente no rendimento líquido, pode começar a pensar em sair do seu Plano atual ou renegociá-lo.

Analisando seu plano de Previdência

No caso da Previdência Privada e a escolha da permanência ou não, PGBL ou VGBL tanto faz. O que conta é a análise dos dados de rendimento e taxas. (Foto: www.minhavidafinanceira.com.br)

Fazendo uma diversificação

O caminho certo para obter o controle de seus fundos de aposentadoria sem os inconvenientes financeiros é de “diversificar seus fundos”. Mas como assim?

Você primeiro tem que ter certeza que você tem um destino para o dinheiro. Então, você distribui os recursos da sua Previdência entre diversos tipos de investimento de acordo com a sua idade. Você terá uma melhor gestão do risco, poderá lucrar mais com os investimentos de alto risco e terá sempre uma certa quantia de dinheiro garantida no risco moderado/baixo, mesmo quando houverem perdas no alto risco.

Monte uma carteira de investimentos junto ao seu gerente financeiro ou por conta própria antes de retirar o dinheiro. Além disso, não deixe de contribuir para o INSS enquanto faz isso. É a melhor forma de garantir direitos e segurança financeira pelo resto de sua vida.

Consulte-se com os profissionais

Um bom consultor financeiro pode ajudá-lo a resolver as coisas enquanto você decide o que fazer. Não precisa se apressar demais, principalmente se seu plano estiver com rendimentos negativos, o que é normal enquanto seu plano não chega ao vencimento final. Vá com calma, não entre em pânico e garanta que seu investimento tenha o melhor destino. Seu gerente financeiro pode te ajudar nisso também, oferecendo diferentes destinos para seus recursos.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)