Todos os anos o contribuinte precisa efetuar o pagamento o IRPF e assim, se livrar deste imposto por mais um ano. O pagamento pode ser feito à vista ou em parcelas, sendo interessante uma escolha de acordo com seu perfil. Mas raramente ou quase nunca o parcelamento compensa. seria vantagem parcelar o imposto devido ou pagar em única parcela, para fugir da correção mensal feita pela Receita Federal?

Todo contribuinte tem o direito ao parcelamento, que é feito pela Receita Federal e recebe incidência da Taxa Básica de Juros  da Economia, a Selic. As parcelas são reajustadas a cada mês, de acordo com a evolução da taxa. Ela é sempre determinada posteriormente ao vencimento das parcelas. Ela é um pouco variável, mas registra constantemente quedas que deixam seu valor abaixo do 1% ao mês.

No pagamento á vista, o contribuinte liquida o imposto em uma única parcela. Para alguns que não se planejaram financeiramente ou queiram destinar recursos para outras atividades, o parcelamento pode ser a única e péssima alternativa. Mesmo com uma taxa de juros reduzida em relação às taxas de juros praticadas no mercado bancário e de capitais, você já está aumentando os valores a serem pagos por um dos maiores impostos incidentes no Brasil.

Parcelamento do IRPF

Parcelar o IRPF não é um bom negócio, pois os juros vão prejudicar o contribuinte, fazendo ele pagar mais por um imposto que já é muito alto. (Foto: dicasmundinhovirtual.blogspot.com)

Quem tem imposto a receber tem os recursos retidos na Receita Federal até o pagamento. Ele tem também o benefício de ter os recursos devolvidos pelo Fisco acrescidos da taxa Selic e sem o pagamento e Imposto de Renda sobre esse valor, possibilitando uma boa rentabilidade até e que pode ser perdida com o parcelamento.

Agora, vamos ver como fica o parcelamento. Quem divide paga juros, onde só a primeira parcela não tem acréscimo. As demais são corrigidas pela variação proporcional acumulada da taxa básica de juros (Selic), mais 1%. Considerando uma taxa Selic de 9,75% ao ano, caso resolva parcelar o valor a pagar em oito vezes, o contribuinte vai gastar 5,82% a mais no último mês.

Como exemplo, vamos pegar um devedor de IR no valor total de R$8.000,00. Se esta pessoa dividir o pagamento em oito parcelas, ele pagará R$1.058,20 na última prestação. Somando os acréscimos de todas as parcelas, em vez dos R$8.000,00, ele pagará R$ 8.237,50. O que é importante lembrar aqui é que na hora de optar pelo parcelamento, os juros não são comunicados ao contribuinte, que pode ser altamente prejudicado pela pagamento a mais no parcelamento. Portanto, preste muita atenção na hora de parcelar e só o faça se for de extrema necessidade e por falta de planejamento, algo que o leitor do crédito ou débito já sabe que é fácil e rápido de fazer.

3 comentários para “Por que NUNCA compensa parcelar o seu IRPF? Exemplo real!”

  1. Flávia Oliveira

    Olá. Eu parcelei o pagamento em 4 vezes. Quitei a primeira, mas gostaria de adiantar as outras 3 e pagar todas de uma unica vez. É Possível? Faz diferença no valor final?
    Obrigada!

    Responder
  2. Teresinha

    Gostaria de quitar um parcelamento que fiz do IR em 60 vezes, como consegui um dinheiro queria quitar. Sabe informar se terei algum desconto efetuando essa quitação? Obrigada

    Responder
    • Equipe Crédito ou Débito

      Teresinha, converse com seu gerente sobe as opções para quitação.

      Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)