As cooperativas de crédito são parte integrante do sistema financeiro brasileiro. Assim como os bancos, podem dar empréstimos, oferecer contas aos seus clientes e o mais importante: a oportunidade de diversos investimentos com ótimos retornos.

O problema é que as cooperativas de crédito tem um funcionamento um pouco diferente de um banco. Para diversificar seus investimentos em uma cooperativa de crédito, é necessário conhecer este funcionamento e os tipos de investimento disponíveis nas cooperativas de crédito.

O que é e para quê serve uma Cooperativa de Crédito?

A Cooperativa de Crédito é uma associação de pessoas, sem fins lucrativos, que buscam uma melhor administração de seus recursos financeiros. Seu objetivo principal é prestar assistência de créditos/empréstimos e serviços de natureza bancária, como contas e cartões de crédito, a seus associados, com taxas e tarifas em valores mais acessíveis. Em termos legais, a Cooperativa de Crédito e seus gestores são equiparados à instituições bancárias, sendo também sujeitos às mesmas punições, caso incorram a processos fraudulentos. Através de uma cooperativa de crédito, o acesso ao sistema financeiro brasileiro é feito de forma mais democrática e os recursos distribuídos mais justamente.

Como funcionam as operações financeiras em uma Cooperativa de Crédito?

Empréstimos, aplicações, depósitos e outros tipos de investimentos são revertidos aos associados e reaplicados na comunidade representada pela cooperativa. Por exemplo, ao se associar a uma cooperativa de crédito de produtores de leite, seu dinheiro será investido para melhorar na produção da produção na sua região e para créditos, empréstimos e acesso a outros serviços bancários mais baratos para outros associados produtores de leite. Existem cooperativas dos mais diversos ramos: consumo, crédito, agropecuária, saúde, trabalho, educação e muitos mais. Cada um destes, assim como a cooperativa de crédito para produtores de leite citada acima, buscará benefícios agregados à comunidade à preços justos.

A união faz a força

Uma cooperativa dá aos seus associados ganhos ganhos de escala e de complementaridade, melhorando seu poder de negociação e sua viabilidade econômica. Assim, podem também conseguir remunerações melhores para seus investimentos e empréstimos a taxas mais atraentes.

Foco em mercados pelas cooperativas

Uma cooperativa de crédito investe nos seus associados. Por exemplo, cooperativas de crédito rural investirão na produção agrária. (Foto: www.coopideal.org)

Tipos de Cooperativas de Crédito

Para se associar a uma Cooperativa de Crédito, os tipos de cooperativas existentes podem te direcionar àquela que melhor se enquadra no seu perfil profissional/regional:

  • Cooperativas de crédito mútuo de empregados: constituídas por empregados, servidores e pessoas físicas prestadoras de serviço em caráter não eventual, de uma ou mais pessoas jurídicas, públicas ou privadas, definidas no estatuto, cujas atividades sejam afins, complementares ou correlatas, ou pertencentes a um mesmo conglomerado econômico;
  • Cooperativas de crédito mútuo de profissionais liberais: constituídas por pessoas que desenvolvam alguma profissão regulamentada, como advogados, médicos, contadores etc.; ou que atuem em atividade especializada, como pedreiros, eletricistas, padeiros etc.; ou ainda, pessoas cujas atividades tenham objetos semelhantes ou identificáveis por afinidade ou complementariedade, como é o caso de arquitetos e engenheiros; médicos e dentistas, entre outros;
  • Cooperativas de crédito rural: constituídas por pessoas que desenvolvam, atividades agrícolas, pecuárias, extrativas ou de captura e transformação do pescado, desde que inseridas na área de atuação da cooperativa;
  • Cooperativas de crédito mútuo de empreendedores: constituídas por pequenos e microempresários que se dediquem a atividades de natureza industrial, comercial ou de prestação de serviços, com receita bruta anual enquadrada nos limites de, no mínimo, R$ 244.000,00 e, no máximo, R$ 1.200.000,00. Limites estes fixados pelo art. 2º da Lei 9.841/99, para as empresas de pequeno porte. Neste tipo de cooperativa podem ser incluídas as atividades descritas para as cooperativas de crédito rural;
  • Cooperativas de crédito de livre admissão de associados: cujo quadro social é constituído e delimitado em função de área geográfica. Neste tipo de cooperativa, qualquer grupo de pessoas, desde que corresponda às exigências da Lei 5.764/71 (Lei das Cooperativas) e das normas regulamentares emanadas do Banco Central, pode formar uma cooperativa de crédito. Entre os anos 60 e 70 era proibida a criação desse tipo de cooperativa, elas só voltaram a ser plenamente admitidas em 2003, com a Resolução nº3.106 do Banco Central.

Há também as cooperativas mistas e uma mesma cooperativa pode atender à um grupo específico e à uma região específica, ao mesmo tempo.

Associar ou não associar a uma Cooperativa de Crédito para investir?

Como mostramos acima, você precisa atender à um critério profissional e/ou regional para associar-se a uma Cooperativa de Crédito. Se você atende aos pré-requisitos, através da associação você será capaz de investir diretamente na Cooperativa de Crédito através dos produtos e serviços da mesma, diretamente. Neste caso, alguns exemplos de investimentos são:

  • Poupança;
  • Renda Fixa (CDB e LCA, principalmente)
  • Fundos de investimento em ações/Renda fixa/Multimercados;
  • Fundos exclusivos (ex.: fundo para financiamento para compra de maquinário, fundo de investimento agrário etc.)
  • Previdência.

Sendo associado, você pode ter benefícios exclusivos, como a isenção de algumas taxas para investimentos ou acesso à investimentos exclusivos, como citados acima.

Ao não se associar a uma cooperativa, provavelmente por não atender os requisitos necessários, é ainda possível realizar investimentos na mesma, como Poupança, Renda Fixa e Fundos não exclusivos. Porém, taxas podem ser cobradas a mais e você pode não ter acesso aos Fundos Exclusivos e Previdência, por exemplo.

Investir diretamente em uma Cooperativa de Crédito vale a pena?

Mesmo não querendo aplicar seus recursos em uma cooperativa de crédito, você pode investir através da compra de ações ou fundos de uma corretora que investem de forma indireta em Cooperativas de Crédito. Tanto no caso de investir diretamente quanto indiretamente, é um investimento que vale a pena.

Principalmente quando você tem conhecimento da região ou mercado atendido pela cooperativa, melhor investido será seu dinheiro. Por exemplo, se a produção agrária de uma dada região tem previsão de crescimento e há uma cooperativa de crédito rural na área, é plausível dizer que a cooperativa fará mais investimentos e consequentemente, dará melhor remuneração/condições aos seus associados.

As cooperativas de crédito, geralmente, remuneram melhor investimentos de Renda Fixa, já que não podem obter lucro. Elas distribuem as riquezas de melhor forma que instituições bancárias, na grande maioria das vezes. O que pode acontecer é você ter um risco um pouco maior, dado que as cooperativas ao atenderem um grupo específico de pessoas/região também está sujeita às alterações financeiras desse grupo/região. Aí entra o FGCoop.

O Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop)

Assim como o Fungo Garantidor de Crédito, as cooperativas também se comprometem a, mesmo em caso de dissolução, garantir a devolução de investimentos de até R$250 mil. Assim, dentro da gestão de risco de uma carteira de investimentos, o retorno maior das Cooperativas em investimentos até R$250 mil se equiparam a investimentos em instituições bancárias maiores, cabendo ao investidor apenas comparar a remuneração dos investimentos para efetivar a alocação de recursos.

Considerações Finais

As Cooperativas dão aos seus associados um poder de decisão maior e melhores condições. Como consequência, tendem também a tentar oferecer a melhor relação entre custo/benefício. Se você já é parte de uma cooperativa, já investe em uma ou quer investir, compartilhe nos comentários as informações que já tem. Não só você ajuda este artigo a ficar ainda mais rico, como poderá ajudar muitos outros a enriquecerem seus conhecimentos para investir melhor.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)