O fiador tem um papel muito importante no mercado financeiro brasileiro. Ele garante às instituições financeiras que o dinheiro ou bens que elas “emprestam” será pago, nem que seja por eles e não quem pediu para eles serem fiadores. Isso inclui também os imóveis e seus aluguéis, que são bens do mercado financeiro. Agora, precisamos entender que ser um fiador não é algo que deve ser levado de forma leviana ou simples, como boa parte das pessoas ainda faz. Afinal, eu só estou dando meu nome para um contrato qualquer, não é?

Entendendo o que é o fiador

Ser o fiador é abonar as responsabilidades de outra pessoa assumindo o cumprimento de obrigações do abonado. Em outras palavras, você está assumindo TODAS as responsabilidades da outra pessoa. Na grande maioria das vezes, isso significa assumir uma dívida, uma responsabilidade financeira.

Todo fiador tem que ter uma renda mínima para assumir responsabilidades sobre quem está pedindo a ele pelo favor. No caso do aluguel de imóveis, o fiador é exigido ter imóvel em seu nome no mesmo domicílio onde está o imóvel a ser alugado. E geralmente, tem que ter uma renda que corresponda a três ou até quatro vezes o valor do aluguel ou das parcelas de um empréstimo ou financiamento que alguém fez e colocou o nome de um terceiro como fiador, ou seja, o garantidor do pagamento daquelas parcelas.

Resumindo bastante: o fiador é a garantia de que o sistema financeiro terá o dinheiro de qualquer maneira.

Por que é perigoso ser um fiador?

Estamos falando de riscos financeiros e até judiciais. Suponhamos que a pessoa para quem você emprestou seu nome deixe de pagar uma ou mais parcelas do financiamento/empréstimo ou do aluguel. Ele poderá ter que arcar com estes custos em nome da pessoa que usou o nome dele, sob o risco de ter até imóveis ou bens penhorados. Leia isso bem: você pode até PERDER os seus bens se não arcar com as dívidas. Por isso, pense duas vezes antes de dar seu nome para alguém por generosidade ou amizade ao ser um fiador.

Cuidados ao ser fiador

Por mais que a pessoa para quem você empresta seu nome seja confiável, pense duas vezes antes de assinar o contrato e pesquise muito bem o passado e presente financeiro desta pessoa! (Foto: jovemevangelho.blogspot.com)

Como diminuir os perigos de ser fiador?

Apesar de ser fiador ser algo arriscado, você pode se ver na posição de que isso seja necessário. Pode ser um familiar ou grande amigo que precisa dessa ajuda, pode ser uma troca de favores. Seja qual for o motivo, você deve diminuir seus riscos.

Comece por uma pesquisa sobre o afiançado, tais como salários, finanças e afins, buscando saber se ele poderá arcar com os custos sem dificuldades. Você pode também exigir um cheque ou depósito caução da pessoa para quem você empresta seu nome, afim de ter uma garantia para o pagamento do aluguel ou parcelas.

Cuidado na hora do contrato, lendo todos os detalhes. Saiba que tipos de responsabilidade você está assumindo. Tente separar ao máximo os seus bens de suas responsabilidades financeiras, afim de garantir a proteção a eles.

Acima de tudo, tenha plena consciência de que você é capaz de arcar com as dívidas, caso o pior venha a acontecer.

Há alternativas para quem precisa de um fiador?

Quem precisa de um fiador tem algumas alternativas disponíveis no mercado. Pode ser usado o cheque ou depósito caução, tanto para aluguéis quanto empréstimos. Este tem o valor de 2 a 3 vezes a parcela a ser paga, garantindo maior segurança ao “locatário” dos recursos, bens ou imóveis.

Quem está pedindo empréstimos pode usar de alguns seguros do mercado financeiro que cobrem a necessidade do fiador. E no mercado de imóveis, ainda há o seguro fiança, que envolve alguns serviços e benefícios além de funcionar como um fiador, cobrando algo entre dois a três aluguéis como preço pelo serviço.

O importante é que todas as opções sejam analisadas. O fiador, como é um risco muito grande e assumido por uma a duas pessoas apenas, pode não ser a melhor opção. Analise antes de decidir em definitivo o que é melhor para você.

Um comentário para “Os perigos de ser fiador!”

  1. Luís Vicente

    Olá,

    Muito bem explicado, tirei as minhas dúvidas.
    Obrigado!

    Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)