Pense comigo: quantas foram as vezes que as pessoas te falaram que ser gentil e educado te levará longe. E que um sorriso pode conquistar qualquer pessoa ou um simples “Olá” pode mudar o destino de alguém.

Todo esse esforço em decorar as palavras mágicas de educação e aprender um pouco de civilidade pode resultar em ganhos financeiros?

Pense comigo primeiro em termos racionais: uma pessoa gentil, possivelmente tem uma melhor educação em casa do que uma pessoa mal educada. Essa melhor educação faz com que essa pessoa respeite valores e também o conhecimento adquirido. É provavelmente um aluno que presta atenção nas aulas e está disposto a ajudar seus amigos.

É um pouco difícil ver esse tipo de pessoa nas classes mais baixas da sociedade brasileira, mas é um perfil que sutilmente está mudando com as melhores condições financeiras destas famílias e a supervalorização do diploma de ensino superior. Isto motiva as famílias a verem a educação com outros olhos, sendo esta mesma impressão repassada aos seus filhos.

Uma pessoa gentil é também humilde, uma vez que pessoas arrogantes tendem a ser mais rudes. E a humildade é a maior característica de grandes líderes e donos de empresas. Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, está tendo sérios problemas para valorizar sua empresa na bolsa de valores e podemos atribuir parte desta dificuldade à sua arrogância como líder. Completamente o contrário de Bill Gates, um dos 3 homens mais ricos do mundo, fundador da Microsoft e que hoje dedica sua fortuna e seu tempo para instituições de caridade.

Profeta gentileza

Gentileza gera gentileza. Mas será que também gera algum tipo de retorno financeiro? (Foto: antroposimetrica.blogspot.com)

No Brasil, nos acostumamos a ouvir o quão arrogantes são as pessoas ricas. Alguns destes casos são realmente verdade. Outros vem de nossa cultura que desvaloriza o dinheiro, uma herança católica e que é inerentemente conflituosa com uma sociedade capitalista. Pessoas ricas em nosso país estão diretamente associadas a pessoas famosas, o que é uma impressão errada, já que nem todo rico é famoso. E alguns famosos, pelo menos os que aparecem na mídia, acabam sendo mal educados muitas vezes.

Vamos pegar o exemplo de Ayrton Senna, um ídolo brasileiro. Nunca lhe faltou dinheiro. Mas sua humildade, trabalho e a constante busca de melhorar como piloto e como pessoa, fizeram dele um ídolo e também o melhor piloto da história do automobilismo. E ele nunca era arrogante, pois sempre encontrava algo para melhorar. É de sua responsabilidade a ideia do Instituto Ayrton Senna, que hoje ajuda milhões de crianças carentes em nosso país.

Uma pessoa gentil e sempre disposta a ajudar será procurada por outros. Esses outros podem incluir um chefe ou um amigo com bons contatos, que possivelmente poderão ver seu trabalho e assim, promovê-lo ou fazer propostas de emprego tentadoras. A vontade de ajudar, em conjunto com a competência para fazê-lo sem criar um ambiente ruim no trabalho é um talento muito valorizado nos dias de hoje pelas empresas: o líder servidor, um termo que ficou popular graças ao livro O Monge e o Executivo.

Portanto, Gentileza gera dinheiro? Sim, principalmente pelas portas e oportunidades que ela abre. A gentileza de uma pessoa abre outras para sugestões, críticas e até ajuda com que outros fiquem mais propensos a te ajudar. É um talento fácil de adquirir e que não vai precisar de muito. Basta começar com um simples “Bom dia” para seus familiares que você está indo no caminho certo.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)