Nas gerações anteriores, o dinheiro era usado para a maioria das compras diárias; hoje, raramente é exibido – principalmente por compradores mais jovens. A forma como fazemos compras também mudou. As compras online se tornaram a principal escolha para muitos, criando amplas oportunidades de usar e estender o crédito em demasia – uma maneira muito fácil e rápida de acumular dívidas.

Enquanto isso, as empresas de cartão de crédito, bancos e outras instituições financeiras estão inundando os consumidores com oportunidades de crédito – a capacidade de solicitar cartões de crédito ou pagar um cartão com outro – e sem o conhecimento adequado ou verificações e saldos, é fácil entrar problemas financeiros.

Muitos consumidores têm muito pouco conhecimento de finanças, como funciona o crédito e o impacto potencial em seu bem-estar financeiro por muitos e muitos anos. Na verdade, a falta de compreensão financeira tem sido apontada como uma das principais razões por trás dos problemas de poupança e investimento enfrentados por muitos brasileiros. E a educação financeira é a solução para muitos destes problemas.

Resumo do conceito educação financeira

A alfabetização financeira é a educação e compreensão de várias áreas financeiras, incluindo tópicos relacionados à gestão de finanças pessoais, dinheiro, empréstimos e investimentos.

As tendências no Brasil mostram que a alfabetização financeira entre os indivíduos está diminuindo, com poucas pessoas tendo o conhecimento básico de conceitos simples de finanças.

Ao mesmo tempo, a alfabetização financeira é mais importante do que nunca, pois as pessoas gerenciam suas próprias contas de aposentadoria, negociam ativos pessoais online e carregam dívidas de estudantes, médicos, cartões de crédito e hipotecas.

Buscando a educação financeira

Tenha a educação financeira certa para aprender a mexer com seu dinheiro. (Foto: Dreamstime.com)

O que é educação financeira?

A literacia financeira é a confluência da gestão financeira, de crédito e dívida e o conhecimento necessário para tomar decisões financeiramente responsáveis ​​- decisões que são essenciais para a nossa vida quotidiana. A educação financeira inclui a compreensão de como funciona uma conta corrente, o que realmente significa usar um cartão de crédito e como evitar dívidas. Em suma, a alfabetização financeira afeta os problemas diários que uma família média faz ao tentar equilibrar um orçamento, comprar uma casa, financiar a educação dos filhos e garantir uma renda na aposentadoria.

A falta de educação financeira não é um problema apenas nas economias emergentes ou em desenvolvimento. Os consumidores em economias desenvolvidas ou avançadas também não conseguem demonstrar um forte domínio dos princípios financeiros para entender e negociar o cenário financeiro, gerenciar riscos financeiros de forma eficaz e evitar armadilhas financeiras. Nações em todo o mundo enfrentam populações que não entendem os fundamentos financeiros.

O nível de alfabetização financeira varia de acordo com os níveis de educação e renda, mas as evidências mostram que os consumidores com alto nível de escolaridade e alta renda podem ser tão ignorantes sobre questões financeiras quanto os menos educados e de baixa renda (embora, em geral, os últimos tendam a ser menos alfabetizado financeiramente). E parece que os consumidores hesitam em aprender. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) citou uma pesquisa realizada no Canadá que descobriu que escolher o investimento certo para um plano de poupança para a aposentadoria era mais estressante do que uma visita ao dentista.

Por que buscar o conhecimento financeiro?

Para agravar os problemas associados ao analfabetismo financeiro, parece que a tomada de decisões financeiras também está se tornando mais onerosa para os consumidores. Cinco tendências estão convergindo e demonstram a importância de tomar decisões bem informadas e ponderadas sobre finanças:

Os consumidores estão assumindo mais as decisões financeiras:

O planejamento da aposentadoria é um exemplo dessa mudança. As gerações anteriores dependiam de planos de pensão para financiar a maior parte de suas vidas de aposentadoria. Hoje, é importante criar um complemento de renda além da aposentadoria do INSS, ou você terá sérios problemas financeiros.

Opções complexas

Os consumidores também estão sendo solicitados a escolher entre vários produtos de investimento e poupança. Esses produtos são mais sofisticados do que no passado, pedindo aos consumidores que escolham entre diferentes opções com taxas de juros e prazos variados, decisões para as quais eles não estão preparados para tomar. Decidir sobre instrumentos financeiros complexos com uma grande variedade de opções pode afetar a capacidade do consumidor de comprar uma casa, financiar uma educação ou economizar para a aposentadoria, aumentando a pressão para a tomada de decisão.

Falta de ajuda governamental

Uma importante fonte de renda de aposentadoria para as gerações anteriores foi a Previdência Social. Mas o valor pago pela Previdência Social não é suficiente, e a tendência é ficar cada vez menor ao longo do tempo.

Vida útil mais longa

Estamos vivendo mais. Isso significa que precisamos de mais dinheiro para a aposentadoria do que as gerações anteriores.

Ambiente em mudança

O cenário financeiro é muito dinâmico. Agora um mercado global, há muito mais participantes no mercado e muitos mais fatores que podem influenciá-lo. O ambiente em rápida mudança criado por avanços tecnológicos, como o comércio eletrônico, torna os mercados financeiros ainda mais rápidos e voláteis. Juntos, esses fatores podem causar visões conflitantes e dificuldade em criar, implementar e seguir um roteiro financeiro.

Muitas escolhas

Bancos, cooperativas de crédito, corretoras, seguradoras, empresas de cartão de crédito, hipotecas, planejadores financeiros e outras empresas de serviços financeiros estão competindo por ativos, criando confusão para o consumidor.

Qualquer melhoria na educação financeira terá um impacto profundo sobre os consumidores e sua capacidade de sustentar seu futuro. As tendências recentes estão tornando ainda mais imperativo que os consumidores entendam as finanças básicas, porque estão sendo solicitados a arcar com mais o fardo das decisões de investimento em suas contas de aposentadoria – ao mesmo tempo em que precisam decifrar opções e produtos financeiros mais complexos.

Aprender a ler financeiramente não é fácil, mas, depois de dominado, pode aliviar tremendamente os fardos da vida.

Tem alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)