Gaste dinheiro onde você gasta seu tempo! Entenda!

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

Não é uma grande surpresa que as pessoas com uma tonelada de dinheiro tendem a ser mais felizes do que pessoas sem ele. O que ninguém considera, entretanto, é que a maneira como você o gasta pode ter uma enorme influência sobre o seu próprio bem-estar. Muitas das ideias que você pode ter, como encarar que é desperdiçar dinheiro ao fazer refeições fora, ao invés de coisas “importantes”, como TVs e carros, são apenas erradas. Uma série de estudos psicológicos ao redor do mundo têm mostrado que muitos dos nossos preconceitos sobre dinheiro são profundamente errados, principalmente por não levar em consideração um elemento básico: onde você passa a maior parte de sua vida.

Publicidade

Publicidade

O Princípio do Conforto: invista seu dinheiro onde você gasta seu tempo

Se você não trabalha em casa, você provavelmente terá um pouco mais de dificuldade em encontrar onde você passa a maior parte do dia. Comece por fazer uma lista do que você faz todos os dias, então avalie o equipamento que você precisa fazer essas tarefas. Aqui está uma lista genérica para analisar o princípio do conforto:

Esta lista deve ser um começo para definir seus gastos. Mas não adianta sair comprando as coisas sem um planejamento. Algumas regras vão te ajudar a investir através do Princípio do Conforto sem te deixar no vermelho.

Regra 1: Não gaste tudo em si mesmo

Doar seu dinheiro pode te fazer muito feliz. Uma série de experimentos científicos descobriu que doar dinheiro de deixam as pessoas mais felizes, especialmente quando eles podiam ver o impacto que o seu dinheiro tem sobre o destinatário. Isso também significa que ao analisar onde você investe seu tempo, pense quem passa esse tempo contigo e quais os itens de conforto estas pessoas também merecem.

Planejando onde gastar seu tempo e seu dinheiro

Divida bem seu tempo para saber onde investir, tomando cuidado de não gastar o tempo ou o dinheiro por impulsividade. (Foto: jobs.thefuntimesguide.com)

Publicidade

Publicidade

Regra 2: As férias são mais importantes do que as cortinas

Um novo sofá pode parecer que fará sua vida completa, mas não é bem assim. As pessoas acham que um sofá mais confortável é um bom investimento dentro do Princípio do Conforto, mas pode ser uma faca de dois gumes. Em termos de entrega de valor, um feriado com os amigos vai ser algo que você vai se lembrar por muito tempo. Lembre-se que quantidade de tempo não significa sempre qualidade. Afinal, você passa cerca de 8 horas na sua cama, mas não precisa da melhor cama do mundo, só uma que seja confortável o suficiente para uma boa noite de sono.

Regra 3: Você vai se enjoar muito rápido das compras caras

As compras mais caras e impulsivas, como os pesquisadores comprovaram, entregam um breve momento de felicidade, que desaparece rapidamente. Nossos cérebros esperam mais de bens de consumo, de modo que você será rapidamente premiado com um sentimento de decepção, seja sua nova aquisição um carro, um telefone ou um vestido. Ao passar mais tempo planejando suas compras e se perguntando por que e para que você precisa de um tal item, você desenvolve um senso de realismo maior e fará compras mais inteligentes, não frustrantes.

Regra 4: Tempo vale mais do que dinheiro

Publicidade

Quando as pessoas sobem na carreira, é tentador comprar uma casa nos subúrbios, um bom carro, e aceitar uma longa viagem como parte da rotina. Esta é uma ideia estúpida. Estudos descobriram que pessoas com trajetos mais longos relatam menor satisfação geral com a vida. Portanto, pode valer mais a pena investir no conforto do seu apartamento no centro da cidade com um aluguel um pouco mais caro do que realizar o sonho da casa própria a mais de uma hora do local de trabalho…

Publicidade

http://youtu.be/WNMLntd5Vjo

Regra 5: Use o dinheiro para comprar tempo

Pague uma diarista. Pague um contador. Peça a alguém para cuidar das coisas que você acha chato fazer. Isso vai te dar tempo e te comprará preciosos minutos para investir de forma construtiva em coisas que você gosta, que vai fazer você feliz. Só não desperdice esse tempo na frente da televisão ou do computador.

Regra 6: Não mantenha as aparências

Depois de uma promoção ou quando você tem um dinheiro a mais sobrando, é fácil pensar que você tem que ter, digamos, um carro novo, ou uma televisão melhor, mas esses objetos só oferecem breves emoções. Nós nos adaptamos rapidamente aos nossos bens materiais e há ainda menos prazer de ser tido quando você sente que tem que comprar bens para manter-se rodeado por amigos. Vale o mesmo princípio que falamos acima: invista tempo no pensamento de comprar e você será apropriadamente recompensado.

Regra 7: Empreste suas possessões

A razão básica que bens materiais não tendem a fazer-nos felizes é que a gente enjoa deles. Empreste seus bens valorizados para as pessoas, de maneira você vai apreciá-los mais quando pegá-los de volta. Mas mantenha uma lista dos itens emprestados para não perdê-los de vista.

Publicidade

Publicidade

Quais outras regras vocês incluiriam no princípio do conforto? Vocês concordam com as regras aqui listadas? Compartilhe sua opinião e sugestões nos comentários abaixo!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Publicidade

Publicidade

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário