Como negociar dívidas

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

Ao mesmo tempo em que hoje em dia a facilidade de obter crédito pode beneficiar as pessoas que não têm dinheiro imediatamente – com a obtenção de prazos para pagar contas e compras – essa tem sido a maior causa de endividamento no Brasil. Se por algum motivo o valor creditado não é pago, os juros correm soltos e em pouco tempo duplicam, triplicam o valor inicial.

Publicidade

Publicidade

Além disso, com os valores reajustados das contas (água, luz, telefone, colégios, cursos, supermercado, etc), ao contrário do salário que é raramente reajustado, muitas pessoas não conseguem pagar todas as contas e acabam apelando para cheque especial e cartão de crédito, ou mesmo ficando inadimplentes com alguma instituição. Quando o indivíduo dá por si está enredado em uma trama de dívidas e juros que fazem a dívida crescer a cada mês. Muitas vezes o dinheiro reservado para pagar a dívida paga somente os juros e não resolve a questão. Veja aqui algumas dicas para sair do vermelho, negociar dívidas e ficar livre das pendências financeiras:

Publicidade

Publicidade

Como negociar dívidas
Publicidade

Dicas para negociar dívidas

Publicidade

  1. Procure resolver a dívida logo no início, quando perceber que não conseguirá quitá-la.
  2. Procure alongar a dívida o máximo possível para não apertar seu orçamento mensal. Tente parcelar a dívida entre 12 e 24 meses.
  3. Não negocie com empresas de cobranças, intermediárias entre você e o credor. Elas ganham uma comissão em cima do valor pago e por isso raramente flexibilizam as dívidas.
  4. Negocie os juros. Este é um valor negociável, insista em valores sempre mais baixos e não aceite a primeira proposta do credor.
  5. Que tal reservar o dinheiro de férias e décimo terceiro para quitar de vez as dívidas? Se ela for paga a vista certamente você obterá descontos. Priorize sempre  o pagamento de dívidas com os juros mais altos, e não necessariamente de valor mais alto.
  6. Se você tiver dinheiro investido na poupança, retire-o e pague a dívida. Não vale a pena manter um dinheiro investido com juros baixíssimos e uma dívida correndo com juros altos. Somente invista dinheiro estando quite com credores.
  7. Após a negociação da dívida, peça ao credor para retirar seu nome do SPC ou Serasa, caso você tenha caído na lista de consumidores inadimplentes. Agora com o nome limpo, não caia em tentação de novamente consumir ou assumir dívidas sem poder pagar.

Sobre o autor

Publicidade

Publicidade

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Publicidade

Publicidade

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário