O conceito de compartilhamento na economia compartilhada refere-se à utilização e ao acesso a recursos ou ativos físicos ou humanos compartilhados, ao invés da troca monetária por estes bens. Uma Economia Compartilhada permite diferentes formas de troca de valores e é uma economia híbrida. O conceito de economia compartilhada abrange os seguintes aspectos: troca, compra coletiva, consumo colaborativo, compartilhamento de propriedades, valores compartilhados, cooperativas, co-criação, reciclagem, upcycling, redistribuição, comércio de bens usados, aluguel, empréstimo, modelos de negócios por assinatura, economia de pares, economia colaborativa, economia circular, economia sob demanda, economia de multidão, economia de pagamento sob medida, wikinomics, empréstimos individuais, microfinanciamento, social mesh, social enterprise, futurologia, crowdfunding, crowdsourcing,, open source, dados abertos, conteúdo gerado pelo usuário (UGC), serviços públicos e muito mais.

Vamos conhecer agora os blocos de sustentação da economia compartilhada e exemplos desse conceito sendo aplicado no cotidiano.

Conceito de Economia Compartilhada: as pessoas

As pessoas estão no centro de uma Economia Compartilhada; É uma economia popular, o que significa que as pessoas são cidadãos ativos e participantes de suas comunidades e da sociedade em geral. Os participantes de uma Economia Compartilhada são indivíduos, comunidades, empresas, organizações e associações, todos eles profundamente inseridos num sistema de partilha altamente eficiente para o qual todos contribuem e se beneficiam. Os direitos humanos são respeitados e salvaguardados. As pessoas também são fornecedoras de bens e serviços; Eles são criadores, colaboradores, produtores, co-produtores, distribuidores e redistribuidores. Em uma economia de compartilhamento, as pessoas criam, colaboram, produzem e distribuem pessoa a pessoa (P2P). O microempreendedorismo é celebrado, onde as pessoas podem entrar em contratos vinculativos uns com os outros e realizar comércios em pequena escala. Dentro do negócio, as pessoas, tanto os co-proprietários, funcionários e clientes, são altamente valorizados, com suas opiniões e idéias respeitadas e integradas ao negócio em todos os níveis da cadeia de abastecimento, organização e desenvolvimento. Um exemplo de uso desse bloco de construção na economia compartilhada é através do aplicativo TaskRabbit, que procura pessoas oferecendo mão de obra para executar diferentes tarefas, uma ótima forma para conectar as pessoas aos seus interesses profissionais.

Funcionamento da economia compartilhada

A economia compartilhada é um conceito relativamente novo, mas que vem ganhando forma e força entre investidores e a nova geração de indivíduos no mercado de trabalho. (Foto: Iconfinder)

Conceito e exemplos de Economia Compartilhada na produção

Em uma Economia Compartilhada, pessoas, organizações e comunidades com participantes ativos produzem ou co-produzem bens e serviços de forma colaborativa, coletiva ou cooperativa. A produção é aberta e acessível para aqueles que desejam produzir. As tecnologias e redes da Internet permitem o desenvolvimento de produtos e serviços de forma coletiva, superando as fronteiras geográficas. Celebra-se a produção local com impactos ambientais positivos (ou mínimos). A impressão 3D oferece uma produção mais local de mercadorias, reduzindo as cadeias de fornecimento e aumentando a eficiência e o acesso. A responsabilidade social é forte e os serviços públicos (incluindo o apoio social) são co-produzidos, desenvolvidos e fornecidos por uma vasta gama de atores que atuam em todos os níveis sociais; Famílias e amigos, comunidades locais, instituições de caridade, empresas sociais, e governo. É um exemplo de aplicação desse conceito o aplicativo Zaarly, que permite aos indivíduos criarem micro lojas no app para vender seus produtos.

Valor e sistema de troca na economia compartilhada

Uma Economia Compartilhada é uma economia híbrida onde há uma variedade de formas de troca, incentivos e criação de valor. O valor é visto não apenas como valor financeiro, mas um valor econômico, ambiental e social mais amplo e igualmente importante. O sistema abrange moedas alternativas, moedas locais, bancos de tempo, investimento social e capital social. A Economia Compartilhada é baseada em recompensas materiais e não materiais ou sociais, e incentiva o uso mais eficiente dos recursos. Este sistema de incentivo híbrido permite e motiva as pessoas a se engajarem em atividades produtivas. Em uma Economia de Compartilhamento, o desperdício tem valor, é visto como recurso no lugar errado. Uma Economia Compartilhada permite que os “resíduos” sejam realocados onde forem necessários e avaliados. O aplicativo LeftoverSwap, que conecta pessoas que tem comida sobrando a outras que tem comida de menos, é um exemplo desse tipo de aplicação na economia compartilhada.

Distribuição na Economia Compartilhada

Numa Economia Compartilhada, os recursos são distribuídos e redistribuídos através de um sistema que é eficiente e equitativo em escala local, regional, nacional e global. Modelos de propriedade compartilhada como cooperativas, compras coletivas e consumo colaborativo são características de uma Economia Compartilhada, promovendo uma distribuição justa de ativos que beneficia a sociedade como um todo. Os sistemas democráticos participativos permitem o desenvolvimento de estruturas e legislação que promovam e salvaguardem uma distribuição equitativa e eficiente dos recursos em todas as escalas da sociedade. Os recursos ociosos são realocados ou negociados com aqueles que querem ou precisam deles para criar um sistema eficiente, equitativo, ou circular. Reciclagem, upcycling e compartilhamento do ciclo de vida do produto são características comuns a uma Economia Compartilhada. O “desperdício” é visto como “recurso no lugar errado” e o sistema usa a tecnologia para redistribuir ou comercializar ativos não utilizados, gerando valor para pessoas, comunidades e empresas. O acesso é promovido e preferido sobre a propriedade e visto como propriedade distribuída ou compartilhada. Compartilhar um carro, por exemplo, e pagar pelo que você usa, é visto como preferível e mais inteligente do que suportar os custos, desperdício de recursos e ociosidade da propriedade. Getaround, um app que coloca seu carro no tempo parado à disposição de outras pessoas, é um exemplo dessa aplicação da Economia Compartilhada.

Economia Compartilhada e o planeta

Uma economia compartilhada coloca as pessoas e o planeta no centro do sistema econômico. A criação, produção e distribuição de valor operam em sinergia ou harmonia com os recursos naturais disponíveis, não à custa do planeta, promovendo o florescimento da vida humana dentro dos limites ambientais. A responsabilidade ambiental, incluindo os encargos ambientais, é compartilhada entre as pessoas, organizações e governos nacionais. Bens e serviços dentro de uma Economia Compartilhada são projetados para sustentabilidade em vez de obsolescência, promovendo não só a reutilização de recursos, mas também modelos que tem um impacto positivo no planeta. Por exemplo, ao invés de simplesmente reduzir o impacto negativo através da redução de carbono, uma Economia de Compartilhamento cria bens e serviços que melhoram positivamente o ambiente natural, como modelos de economia circular. Um exemplo são aplicativos como o Spinlister, que permitem te colocar em contato com pessoas que alugam certos equipamentos para a prática de esportes ou outras finalidades, tornando desnecessária a compra desenfreada desses itens para uso ocasional.

Poder na Economia Compartilhada

Uma Economia Compartilhada empodera seus cidadãos economicamente e socialmente, permitindo a redistribuição econômica e social do poder. Ambas as facetas dependem de um processo de tomada de decisão aberto, compartilhado, distribuído e democrático e de sistemas de governança, a nível local, nacional e global. Este robusto ecossistema facilita esta abertura e partilha de oportunidades e acesso ao poder. O poder é compartilhado ou distribuído e a infraestrutura permite que os cidadãos tenham acesso ao poder e à tomada de decisões. Os sistemas que permitem e promovem salários justos, reduzem a desigualdade e a pobreza, como o Comércio Justo, são apoiados e preferidos. Eles apóia as pessoas a se tornarem cidadãos ativos, profundamente envolvidos em suas comunidades e no desenvolvimento dos ambientes em que vivem e trabalham. O Uber, Lyft, Cabify, 99taxis e outros apps de transporte são exemplos desse conceito, pois dão aos indivíduos que usam esses aplicativos mais poder para realizarem seus trabalhos sem depender da boa vontade de sindicatos, associações, ou do poder público. Podemos citar também as cidades e comunidades que aplicam o conceito do Comércio Justo em suas práticas, promovendo o bem estar das pessoas que fazem parte daquele grupo.

A lei na Economia Compartilhada

Numa Economia Compartilhada, o mecanismo para a elaboração da lei é democrático, público e acessível. Regras, políticas, leis e padrões são criados através de um sistema democrático que permite e incentiva a participação de massa em todos os níveis. As leis e políticas apoiam, capacitam e incentivam o compartilhamento de práticas entre os cidadãos e dentro das empresas, como o compartilhamento de carros, o comércio pessoa a pessoa e uma variedade de formas de compartilhamento de recursos. Leis, políticas, estruturas e infraestrutura criam um sistema de confiança com seguros, garantias, classificações sociais e conceitos na vanguarda da economia. AirBNB e apps de transporte público são exemplos desse conceito aplicado, principalmente pela revolução em leis e no poder público que eles estão provocando.

Comunicações na Economia Compartilhada

Numa Economia Compartilhada, a informação e o conhecimento são partilhados, abertos e acessíveis. Boas comunicações abertas são fundamentais para o fluxo, a eficiência e a sustentabilidade deste sistema econômico. Um elemento fundamental da Economia Compartilhada é que as comunicações são distribuídas, o conhecimento e a inteligência são amplamente acessíveis, facilmente obtidos e podem ser usados ​​por diferentes indivíduos, comunidades ou organizações e usados ​​em uma variedade de maneiras diferentes para vários propósitos. A tecnologia e as redes sociais permitem o fluxo de comunicações e apoiam o compartilhamento de informações. Este sistema promove uma educação de fácil acesso de alto nível, através de uma ampla gama de serviços diversos (públicos e privados), permitindo que todos tenham acesso à informação, habilidades e ferramentas de que necessitam para ter sucesso. Redes Sociais, como Facebook, LinkedIN, e Twitter são bons exemplos dessa aplicação da Economia Compartilhada.

Cultura na Economia Compartilhada

A Economia Compartilhada promove uma cultura baseada na comunidade em geral e o bem maior sendo considerados. Saúde, felicidade, confiança e sustentabilidade são características notáveis. Compartilhamento é visto como um atributo positivo, e as pessoas que compartilham são celebradas e incentivadas. Um estilo de vida compartilhável é defendido e preferido. Uma cultura de compartilhamento está inserida em setores, geografias, contextos econômicos, gêneros, religiões e etnias. Diversidade é também celebrada, colaborações entre diferentes grupos são aplaudidos e incentivados. A partilha e a colaboração são vistas como a linha de vida vital que liga os grupos em todos os níveis; Desde o nível local individual, até o de comunidades vizinhas, ao de estados-nação e organismos supranacionais. A partilha de recursos faz parte da essência e do ecossistema de uma Economia Compartilhada. As externalidades são sempre consideradas e integradas. A cultura empresarial baseia-se na utilização mais eficiente dos recursos e numa cultura empresarial colaborativa. Negócios conscientes, negócios sociais, negócios sustentáveis, negócios éticos, empreendimentos sociais, negócios como força para o bem também são características de uma Economia Compartilhada. Os modelos de negócios predominantes de uma Economia Compartilhada são: modelos baseados no acesso, serviços, assinatura, aluguel, modelos colaborativos e pessoa a pessoa. Inovação disruptiva, empreendedorismo criativo, intraempreendedorismo e microempreendedorismo são características comuns de uma Economia Compartilhada.

Futuro da Economia Compartilhada

Uma Economia Compartilhada é um sistema econômico robusto e sustentável, construído em torno de uma visão de longo prazo, considerando sempre o impacto e as conseqüências das atuais ações no futuro. Ao considerar as implicações a longo prazo e sendo capaz de ver o quadro geral, uma Economia Compartilhada apresenta um sistema econômico estável e sustentável. O pensamento sistêmico e a necessidade de uma abordagem sistêmica da mudança são fundamentais para o sucesso da Economia Compartilhada.

Se você tiver alguma dúvida ou quiser obter mais informações sobre como a Economia Compartilhar pode beneficiar você ou sua empresa, por favor, use o espaço de comentários abaixo para fazer suas perguntas. Estamos aqui para ajudar!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)