Todo ano, os brasileiros tem que se organizar para levar a documentação correta para a Receita Federal e declarar seu imposto de renda, afim de evitar problemas no caso de caírem na malha fina da Receita. O recomendado é que tais documentos estejam sempre bem organizados, disponíveis e em mãos, para que não se percam ou sumam em momentos de necessidade. Hoje vamos repassar a vocês uma relação dos documentos que você já deve organizar para sua declaração do ano que vem não ficar bagunçada. E essa organização pode inclusive resultar em uma bocada menor por parte da Receita.

Os documentos pessoais necessários para seu imposto de renda são:

  • RG;
  • CPF;
  • Título de eleitor;
  • Comprovante de endereço;
  • Documento ou anotação com sua profissão;
  • Cartão do banco para informar números da agência e da conta para restituição ou débito.
Tenha certeza de conferir todos os documentos mais de uma vez. Informações incorretas podem ser custosas e dispenderem um tempo desnecessariamente. Separe cópias e se você tiver um contador, peça para que ele confira os documentos mais de uma vez.
A bocada do Leão

Uma boa organização poderá te poupar de uma bocada maior do imposto de renda. (Foto: veja.abril.com.br)

Outros comprovantes que você precisará ter em mãos para sua declaração são:
  • Copia da declaração do IR do ano anterior, que vai facilitar o preenchimento do documento;
  • Informes de rendimentos de instituições financeiras (banco envia para o cliente);
  • Relação de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;
  • Informes de rendimentos de salários, distribuição de lucros, aluguéis, entre outras fontes de renda;
  • Outras rendas recebidas no ano anterior, como herança, doações, indenizações por ação, resgate do FGTS;
  • Recibos de venda ou compra de bens, como carros e imóveis, ocorridos no ano anterior;
  • Documentos da aquisição de dívidas ou empréstimos no ano anterior;
  • Recibos de pagamentos de plano de saúde (é necessário informar o CNPJ do convênio);
  • Recibo de despesas médicas e odontológicas (é necessário informar o CNPJ);
  • Recibos de despesas com educação (é necessário informar o CNPJ);
  • Comprovante de pagamento de previdência social e privada (é necessário informar o CNPJ);
  • Comprovante de doações realizadas;
  • Recibos de empregada doméstica – só é possível deduzir os gastos com uma funcionária (é preciso informar número NIT);
  • Comprovante de recebimentos de recursos da Nota Fiscal Paulista (para moradores de São Paulo).

Lembramos que esta organização de documentos deve ser feita durante o ano todo, afim de salvar o estresse e a correria de conseguir toda a documentação de uma só vez. Você também deve ficar de olho nos limites estabelecidos pela Receita Federal para a isenção do imposto de renda, além de alguma modificação que possa entrar dentro de sua declaração. Nos últimos anos, alguns gastos passaram a ser deduzidos do imposto. Mais informações, recomendamos sempre que você busque um profissional da área, um contador, para te dar instruções e dicas financeiras para evitar a grande mordida do leão.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)