Pode pagar contas com PIX?

Escrito na categoria "Educação financeira" por André M. Coelho.

O sistema de pagamento instantâneo do Brasil, PIX, será lançado oficialmente em novembro de 2020. O sistema operará em uma programação constante, 2 horas por dia, 7 dias por semana, e em todos os dias do ano, permitindo que os clientes bancários façam transferências instantâneas em apenas alguns segundos.

As transferências podem ser iniciadas usando um código QR ou informações de identificação pessoal, como endereço de e-mail, número de telefone ou número de identificação fiscal (CPF). Mas vai dar pra pagar contas com o PIX? Vamos tentar explicar.

O que é o PIX?

O lançamento do PIX promete mudar significativamente as práticas bancárias do Brasil, permitindo transferências de pagamento 24 horas por dia, 7 dias por semana. Um punhado de bancos maiores dominou o mercado por vários anos. A estreia do PIX significará que novos jogadores financeiros, incluindo bancos desafiadores e FinTechs, podem oferecer seus próprios serviços e competir diretamente com grandes jogadores legados.

O que significa o PIX para o mercado financeiro?

O lançamento do PIX pelo Banco Central do Brasil (BCB) promete sacudir significativamente o estado atual do cenário bancário brasileiro. Os analistas esperam que a mais significativa dessas interrupções tenha impacto sobre a população sem banco do país. De acordo com dados recentes, aproximadamente 45 milhões de brasileiros não têm conta em banco. Isso é cerca de um terço da população adulta do Brasil. A disponibilidade do PIX poderia introduzir novos clientes que antes dependiam de métodos de pagamento da velha escola, como dinheiro, na era do banco digital e permitir-lhes fazer pagamentos em um ritmo consideravelmente mais rápido.

A disponibilidade de pagamentos instantâneos e novos clientes de banco digital apresenta dois desafios para o cenário bancário do Brasil. Primeiro, os novos clientes que ainda estão aprendendo como o banco digital funciona podem correr o risco de se tornarem vítimas de fraudadores. Em segundo lugar, os pagamentos instantâneos significam que há pouca esperança de que as vítimas recebam seu dinheiro de volta se um fraudador as enganar com sucesso.

Enquanto o Brasil se prepara para lançar seu esquema de pagamentos instantâneos, os bancos devem estar preparados para entender como o novo sistema promete mudar suas operações e tomar medidas específicas para garantir que os pagamentos instantâneos de seus clientes não se tornem perdas por fraude instantâneas.

Pagando contas com PIX

Pague contas com o PIX seguindo apenas alguns passos simples. (Foto: BC)

Quais bancos participam dos pagamentos instantâneos PIX?

Várias outras nações e regiões em todo o mundo já lançaram seus próprios esquemas de pagamento mais rápidos, incluindo SEPA na União Europeia, NPP na Austrália e Faster Payments no Reino Unido. O PIX se diferencia de outros esquemas de pagamento em uma área-chave: a participação no esquema é obrigatório para muitos bancos. Os bancos licenciados pelo BCB e com mais de 500.000 contas de clientes ativas, como contas correntes, de poupança ou pré-pagas, são obrigados a participar do PIX.

Pode pagar contas com PIX?

Sim, você poderá pagar suas contas usando o PIX. Ele é um meio de pagamento como boletos e cartões de crédito e débito.

O BCB também vê o lançamento do PIX como uma forma de expandir a disponibilidade de serviços bancários digitais e encorajar mais consumidores a deixar de usar o dinheiro como seu principal método de pagamento. Mudar do dinheiro para pagamentos digitais permitirá que mais usuários façam pagamentos digitais para contas, ajudará os bancos a entender a saúde financeira dos clientes e aumentará a estabilidade financeira. O banco central descreveu o esquema PIX como um passo importante para resolver “lacunas” na infraestrutura de pagamentos existente do país.

Existem atualmente várias soluções de pagamento no Brasil que permitem transferências de pagamento digital, incluindo DOC e TED. Essas opções geralmente exigem que os remetentes e destinatários das transferências conheçam informações confidenciais, como números de roteamento, códigos bancários e números de contas bancárias. Muitas vezes, as transferências podem incorrer em taxas caras. Com o PIX, os bancos podem oferecer aos usuários uma alternativa mais rápida e barata que não exige que eles compartilhem informações bancárias confidenciais. Os fundos podem ser transferidos entre indivíduos, empresas e governos em apenas alguns segundos.

Considerações sobre o PIX

O objetivo do PIX é facilitar as transações dos clientes no ambiente de banco digital. Um benefício adicional do sistema é que as pessoas que antes estavam fora do sistema bancário do país agora terão a oportunidade de acessar os benefícios dos serviços financeiros digitais. Isso significa que milhões de usuários sem banco terão autonomia para fazer pagamentos pontuais de empréstimos, contas e transferir fundos para terceiros, sem ter que depender de dinheiro ou cheques.

Além desses benefícios, o lançamento pendente do PIX também preparará o Brasil para uma iniciativa de banco aberto semelhante ao que a União Europeia está experimentando com o PSD2. Isso significará que mais participantes, bancos e FinTechs eventualmente oferecerão seus próprios serviços orientados para o digital no mercado brasileiro. Os bancos legados precisarão garantir que entreguem uma experiência bancária segura e perfeita para seus clientes enquanto se preparam para o próximo estágio da evolução bancária do país.

O PIX mudará para sempre a forma como os clientes bancam no Brasil. Os bancos devem ser proativos na educação de seus clientes e cidadãos inexperientes sem banco sobre os riscos de fraude, a fim de ajudá-los a evitar serem vítimas de golpes. Isso significa que os bancos trabalham arduamente para construir e estabelecer a confiança de todos os seus clientes, especialmente dos usuários que não tinham conta bancária, mas que ainda estão aprendendo a usar ferramentas financeiras digitais. Os bancos que se comprometem a construir confiança e investir em soluções antifraude fortes serão capazes de se distinguir de forma mais eficaz de seus concorrentes.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Crédito ou débito? Esta é uma pergunta quase sempre feita ao se pagar com cartão mas é uma questão também comum na vida de muitos brasileiros. Com mais de 300 horas em cursos de finanças, empreendedorismo, entre outros, André formou-se em pedagogia e se especializou em educação financeira. Dá também consultorias financeiras e empresariais quando seus clientes precisam de ajuda e compartilha conhecimentos aqui neste site.

Aviso legal

O conteúdo apresentado no site é apenas informativo com o objetivo de ensinar sobre o funcionamento do mundo financeiro e apresentar ao leitor informações que o ensine a pensar sobre dinheiro. O site Crédito ou Débito não faz recomendações de investimentos e em nenhuma hipótese pode ser responsabilizado por qualquer tipo de resultado financeiro devido a práticas realizadas por seus leitores.

Deixe um comentário