Um investidor não pode avaliar qualquer investimento, seja em uma ação, um título, uma propriedade alugada, um investimento na própria empresa ou qualquer outro gasto sem primeiro entender como calcular o retorno sobre o investimento (ROI). Este cálculo serve como a base a partir da qual todas as decisões de investimento informadas são feitas e, embora o cálculo permaneça constante, existem variáveis ​​únicas que diferentes tipos de investimento trazem para a equação. Vamos abordar os aspectos básicos do ROI e alguns dos fatores a serem considerados ao usá-lo em suas decisões de investimento.

Retorno de investimento: conceito

No papel, ROI não poderia ser mais simples. Para calculá-lo, você simplesmente pega o ganho de um investimento, subtrai o custo do investimento, e divide o total pelo custo do investimento. Em uma fórmula, fica assim:

ROI = (Ganhos – Custo) / Custo

Corretoras de investimento online calculam seu ROI automaticamente, e existem diversas calculadoras online bem completas que ajudam a fazer o cálculo de forma simples e direta. Mas nada melhor do que explicar usando um exemplo, certo?

Você quer comprar 20 ações da empresa X por R$10 por ação. Isso te dá um custo de investimento de R$200. Se você vender essas ações por R$250, então o ROI é:

ROI = (250 – 200) / 200 = 0,25 ou 25%

Existem algumas maneiras diferentes de pensar sobre esse ROI. A maneira mais popular é imaginar cada real investido nesta ação pagando 25 centavos para você. Colocar mais dinheiro nas ações resultará em um pagamento total maior, mas não aumentará o ROI. O ROI será de 25% independente do valor investido. A mesma linha de raciocínio funciona para investimentos dentro de uma empresa, compras pessoais, e muito mais.

Por que é importante calcular o ROI

Calcular o ROI de seus investimentos é uma decisão financeira sábia, que ajudará a alocar melhor seus recursos financeiros para otimizar seus retornos. (Foto: Whiteboard Animation Studio)

Cálculo ROI: usando a informação a seu favor

Como é uma porcentagem, o ROI pode esclarecer alguma da confusão causada por estar apenas olhando retornos de valores ao invés de retornos mais precisos, em porcentagens. Imagine a situação: duas pessoas falando sobre investimentos. A primeira fez R$100 investindo em títulos e a segunda fez R$5000 investindo em imóveis. Ambos estes números serão o seu retorno, ou seja, os lucros após os custos terem sido subtraídos. Com apenas essa informação, a maioria das pessoas supõe que o investimento o segundo investidor é o melhor. No entanto, sem compreender os custos do investimento, não podemos fazer quaisquer conclusões precisas sobre o ROI.

E se os custos do segundo investidor fossem de  R$400.000 para comprar o imóvel e os do primeiro investidor fossem apenas de R$50? Isso significaria que o ROI do segundo investidor é de apenas 1,25%, enquanto o do primeiro investidor é de 200%. O valor em reais do retorno não tem sentido sem considerar os custos dos investimentos. Por esta razão, os custos de um investimento inicial e contínuo, são uma informação essencial para qualquer investidor.

Agora imagine esse mesmo pensamento quando uma empresa está decidindo onde deverá investir para obter mais retornos. Colocando na mesa onde estarão os maiores retornos, a empresa será capaz de estabelecer onde ela ganhará mais depois de investir.

ROI e a diversificação nos investimentos

O cálculo do ROI permanece o mesmo para cada tipo de investimento. A variação e o perigo para os investidores vem em como os custos e retornos são contabilizados. Vamos tratar de diferentes investimentos e como o ROI deve ser aplicado corretamente em cada um deles nas estratégias de diversificação de investimentos.

ROI e investimentos em imóveis

Imóveis podem criar retornos de duas maneiras, renda de aluguel e apreciação. Renda de aluguel simplesmente tem de ser adicionado aos ganhos quando for recolhido. Os custos, entretanto, vem de muitas fontes diferentes. Há o custo de compra inicial, impostos, seguro e manutenção.

Quando as pessoas falam sobre ter um retorno de 200% ao vender suas casas, eles muitas vezes estão fazendo o erro de simplesmente usar o preço de compra e o preço de venda enquanto ignoram todos os custos no meio. Se é uma propriedade de investimento, eles podem contabilizar a renda de locação e apreciação corretamente, mas negligenciando custos de seguros, impostos e reformas é um erro no cálculo do ROI. Imóveis podem ser um investimento excelente e rentável, mas o ROI projetado sobre esses investimentos é frequentemente exagerado. Cuide para evitar esses erros básicos..

ROI e investimentos em ações

Ações passam pelo mesmo problema que os investimentos em imóveis. Muito frequentemente os investidores não conseguem manter o controle de seus custos de transação. Se você fizer um ganho de R$100, mas esquecer os R$20 que você pagou comprar ação e outros R$20 na venda, então o seu ROI está grosseiramente inflacionado. Tal como acontece com a renda de aluguel, os pagamentos de dividendos devem ser adicionados na coluna de ganhos quando você quiser calcular o ROI de ações.

ROI e investimentos em colecionáveis

Colecionadores podem vender certos itens por milhões, efetuando ROIs astronômicos quando comparados aos seus preços originais. No entanto, colecionáveis ​​raramente são comprados em seus preços originais e, dependendo do tipo, tem elevados seguros e custos de manutenção que acabam cortando o ROI consideravelmente. Colecionáveis incluem peças de arte, cinema, quadrinhos, e mais.

ROI e outros investimentos

Digamos que a empresa está pensando em investir em novo maquinário. Para calcular o ROI, além dos custos do maquinário, é necessário estipular os custos de manutenção do equipamento e até da depreciação, caso você queira um valor ainda mais exato. Após fazer esse cálculo, é preciso estipular os ganhos em produção que resultarão da compra do maquinário, traduzindo esses ganhos para dados financeiros. Então, por fim, você deve pegar o resultado do ROI e comparar com outros investimentos, como a contratação de um novo funcionário ou aumento nos investimentos de marketing. Muito do trabalho com ROI em empresas será baseado em estimativas, mas quanto mais informação você tiver, melhor será para os resultados mais realistas possíveis para seu investimento.

Indo além do ROI: qual o prazo ideal para o retorno do investimento?

ROI é um cálculo simples que informa o retorno sobre qualquer investimento. Porém, um fator importante que não aparece em um cálculo ROI é o tempo. Imagine o investimento A com um ROI de 100% e o investimento B com um ROI de 50%. Fácil decidir: basta colocar o seu dinheiro no retorno de 100%. Mas e se o investimento A demorar 30 anos para se pagar e investimento B pagar em apenas um mês? Por isso, os prazos diferentes de ROI devem entrar em uma estratégia de diversificação de investimentos, tornando possível que diferentes estratégias possam ser assumidas a partir do ROI inicial.

Considerações finais sobre o ROI

ROI é um ponto de partida útil para dimensionar qualquer investimento. Lembre-se que o ROI é uma medida histórica, o que significa que calcula todos os retornos passados. Um investimento pode ter sido uma ótima opção no passado e ser uma opção ruim para o futuro. Por exemplo, muitos imóveis podem gerar ROIs acima de 200% quando comprados na planta para então caírem para ROIs abaixo de 10% quando comprados prontos. Se você investiu tarde com base no ROI histórico, você ficará desapontado. O ROI projetado ou esperado para um investimento novo é ainda mais incerto sem dados para dar suporte ao investimento. Por esta razão, os investidores devem aprender sobre outras métricas que sirvam de suporte para decisões de investimentos inteligentes, e passar a usar no dia a dia de forma efetiva.

Como você usa o ROI para realizar seus investimentos? Quais outras métricas você usa para ajudar nas decisões financeiras?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)