Não há uma quantidade de mesada que seja ideal para todas as crianças. O valor que você decidir deve ser suficiente para fornecer para seu filho algum dinheiro extra que ele tem de aprender a administrar. Não há nenhum benefício educacional no estabelecimento de uma mesada em um valor que já tenha seu destino estabelecido também.

Obviamente, quanto mais velho seu filho, maior a mesada (até um certo ponto, em que a criança pode tornar-se muito velha para uma mesada). Sua renda familiar também influi o quanto a sua família pode dar ao luxo de atribuir a mesadas. Onde você vive também é uma grande influência, muitas vezes não levada em conta pelos pais. Talvez manter as aparências não esteja em sua lista de prioridades e você freqüentemente diz ao seu filho: “Eu não me importo que o Joãozinho tenha isso ou faça aquilo.” Mas, realisticamente, o bairro em que vive pode certamente influenciar a mesada. Finalmente, deve-se levar em conta também o que a mesada deve cobrir. Se você espera que o seu filho compre todas as roupas dele com ela, então o dinheiro deve ser suficiente para permitir essa compra. Agora vamos explicar um pouco mais sobre cada um destes fatores.

A idade do seu filho

As crianças devem receber uma mesada menor do que as crianças mais velhas. Enquanto algumas famílias dão a mesma quantia a todos os seus filhos mesmo que sejam de diferentes idades, esta não é a abordagem ideal. Usando uma regra de ouro para definir a mesada é apenas um ponto de partida. Um a mesada de R$2 por semana pode ser boa para um menino de 10 anos de idade, mas R$30 podem não ser suficiente para um adolescente de 15 anos. Você precisa fazer algumas decisões realistas sobre o que a mesada será capaz de comprar.

Fatores para definir a mesada

Seu filho, desde muito pequeno, não deve ser educado apenas para gastar a mesada, mas também incentivado a poupar o dinheiro. (Foto: shine.yahoo.com)

A criança mais velha paga por coisas mais e precisa de mais dinheiro para fazê-lo. Por exemplo, um filho na faculdade ou em outra cidade que receba mesada tem que pagar por muitas das coisas que ele tinha quando estava em casa, como produtos de higiene pessoal e de limpeza. É claro, a inflação também coloca pressão sobre você para aumentar a mesada para que o poder de compra do seu filho não seja prejudicado.

Geralmente para filhos de idades diferentes, você vai querer dar-lhes um subsídio adequado idade. Dois anos ou menos de diferença, você vai dar a mesma quantidade. Uma criança pode se queixar de que não é justo que o irmão mais velho ganhe mais do que ela. Mas lembre-se que imparcialidade não significa que tudo tem que ser igual para todos.

Sua renda familiar

Sua cabeça e seu coração podem querer pagar uma mesada generosa, mas recursos limitados da sua família podem ditar o contrário. Você tem que ser realista sobre o que você pode pagar. Se você não pode dar ao luxo de pagar uma mesada ou defini-la pelo valor que você realmente acha apropriado, seja honesto sobre isso. Explique que as finanças da família o impedem de dar o seu filho a quantidade que você gostaria. E assim, inclua ele na educação financeira familiar.

Sua cidade

Você pode apostar que as crianças que vivem em bairros ricos não recebem as mesmas mesadas que as crianças na maioria das cidades do interior. Você pode sentir que isso seja realmente apenas outra maneira de dizer que a renda de uma família deve influenciar a mesada. Mas há mais do que isso: há pressão dos amigos, mesmo que indiretamente, quando eles são capazes de mais do que seus filhos. Claro, você pode levar seu bairro em conta na fixação da mesada do seu filho, ou você pode decidir que esse elemento não deve ser levado em conta.

É importante lembrar: adolescentes que queiram um aumento na mesada tem que passar a buscar seu próprio dinheiro extra e passar também a contribuir para criar um ambiente familiar mais cooperativo. Faça disso uma rotina e a saúde financeira familiar estará garantida.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)